Skip to main content

A experiência de andar de ônibus – Nova realidade

Para quem acompanha um pouco da minha rotina, sabe que, normalmente saio de bicicleta para onde devo ir. Agora como vou começar a estagiar em outra cidade, vou ter que começar a pegar ônibus. Quando comecei a estudar em uma escola muito longe há algum tempo atrás, tinha que pegar ônibus para ir à escola, mas preferia ir andando, pois dava o mesmo tempo, mas chegava na escola muito suado. 

Dessa vez a minha única opção é o ônibus. Estar dentro de um ônibus não é algo muito agradável. O ônibus municipal de Vitória não é tão ruim, pois não vejo muitas pessoas estranhas e a viajem é mais tranquila. Já as linhas intermunicipais possuem um ambiente mais precarizado. Já peguei gente com música alta dentro do coletivo, é mais comum ver alguns pivetes (e adultos) pulando roleta. O cheiro também é bem ruim. 

A ida para o estágio é mais tranquila, tem mais estudantes e pessoas indo trabalhar. A volta para casa tem o clima mais pesado. O trânsito agarra um pouco e tem alguns seres estranhos dentro da linha. 

Vejo que as pessoas estão muito descuidadas. Vi várias pessoas com celulares caros expostos ouvindo música como se estivéssemos vivendo em um país seguro. Depois que fui assaltado, não dou mais nenhuma bobeira. 

Um lado positivo do estágio é que o prédio é muito próximo do terminal. Posso ir andando até o terminal sem problema algum. O engraçado de morar na Grande Vitória é que sempre se encontra um conhecido na rua. Lá no terminal vi um rosto conhecido e peguei ônibus com as mesmas pessoas do dia anterior. 

Toda vez que pisar naquele terminal vou pedir proteção e que toda viagem que realizar seja tranquila. Vou tentar prestar mais atenção no trajeto para melhorar meu senso de direção. 

Praia de Vitória – Explorando um pouco a cidade

Descobri que posso ir para muitos lugares de bicicleta em Vitória. Não saio, pois não pego ônibus para poder economizar. Da minha casa (que fica na Grande Goiabeiras) até a terceira ponte por exemplo, é em torno de 30 minutos pedalando em uma velocidade média. Um dia quero tentar ir no centro, pelo meus cálculos, o trajeto deve ser por volta de 50 minutos de bicicleta. 

Percebi que as praias daqui são meio vazias, ao contrário de Guarapari que não tem espaço na areia (Principalmente a Praia do Morro). Isso deve ocorrer por dois motivos:

Dificuldade de pegar ônibus – Aqui na cidade passa o Transcol, que é o ônibus da região metropolitana e o ônibus de Vitória. Não tem rota do Transcol que roda os bairros mais afastados para a praia. Para chegar na praia pelo ônibus municipal demora muito e certos lugares as pessoas deveriam pegar duas linhas (que sairia muito caro). 

Poluição por causa da Vale – Muitos pontos da praia são poluídos por causa do minério de ferro da Vale. Vejo que dá um pouco mais de movimento no ponto perto do Shopping Vitória. 

A praia daqui tem um perfil mais elitizado, não tem muito ambulantes vendendo coisas na orla. Durante o final de semana dá para ver muitas pessoas andando de iate e jet ski. 

IMG 20170327 WA0001 - Praia de Vitória - Explorando um pouco a cidade

Camburi é ideal para quem gosta de um lugar com mais espaço e não se preocupar com multidão. Algo que acho bastante interessante é que dá para ver muita gente pescando. Perto da estátua de Iemanjá se concentra o maior número de pescadores, tanto de dia como a noite. 

A noite dá para ver alguns casalzinhos se pegando. A praia é bem iluminada e muita gente pratica exercícios no calçadão. Algo bastante positivo é que, perto da praia tem várias quadras para a prática de esporte. Os quiosques parecem ter preços bem caros, como um bom universitário economizador, levo meu lanche. Estou conseguindo sair, sem gastar.

Feriado de Páscoa que não passarei em casa

Infelizmente não consegui ir para casa nessa páscoa. Tive que ficar na república, pois não consegui carona para ir na casa da minha mãe. Ela disse que poderia comprar passagem e ir, mas se fizesse isso, tenho certeza que depois ela reclamaria de despesa, e não quero ouvir sermões sobre gastos (sendo que nem gasto muito). Estou esperando a minha vitória de ter uma renda para me sustentar. 

Queria muito ir para casa e ter a sensação de estar em casa. Morar nessa república está sendo melhor que a primeira. Aqui tem menos problemas, mas ainda não é muito confortável. Estar com a família é uma sensação totalmente diferente. E moro com pessoas totalmente diferentes de mim. 

Não adianta chorar pelo leite derramado. Aproveitei este tempo a mais e limpei meu quarto, uma faxina mais profunda que o habitual. Lavei o tapete, tive que lavá-lo, pois deixei cair chocolate nele. Coloquei a roupa para lavar. Fiz todas as revisões de Mandarim no Memrise, vou colocar todos os meus artigos em dia para não deixar o site parado e vou estudar matérias da graduação. 

Neste final de semana em Vitória-ES está tendo o Anime Dark com o tema Dragon Ball. Um rapaz que mora comigo disse que ia pegar um ingresso para mim, pois ele vai trabalhar lá, depois ele me mandou uma mensagem falando que não deu ‘-‘ . Ontem prometi que ia na academia com ele, mas vi que eu estava sem bermuda limpa (tinha colocado tudo para lavar) e desmarquei.  Ele ficou bravo, mas agora sinto que não devo nada a ninguém. Ele também furou comigo. 

O povo que mora comigo é meio problemático e vou tentar ficar mais na minha. Não são rapazes que quero fazer amizade, mas não chega ser tão ruim que não dê para conviver. Sinto que a vida está me ensinando a expor menos meus gostos para quem está a minha volta, quando faço isso sinto que fico mais vulnerável. 

Espero poder me organizar nessa páscoa. 

Minha vacina contra a febre amarela e o desrespeito do poder público

Na UFES (Universidade Federal do Espírito Santo) houve uma campanha para ajudar a imunizar mais pessoas contra a febre amarela. Minha mãe estava muito preocupada comigo e disse para ir vacinar.

Uma das coisas que mais odeio na vida é enfrentar fila. Então acordei bem cedo para ser possível ser vacinado. Já tinha agendado um horário em um posto em um bairro aqui em Vitória, é uma vergonha que o posto da região onde moro não oferecer a vacina. 

O mutirão começaria às 8 da manhã, acordei às 4, fiquei enrolando para acordar. Me arrumei, peguei umas roupas no varal e cheguei lá por volta de 4:50. Levei um livro e li parte dele até começaram a distribuir as senhas. Fiquei na posição 88 na fila. Eles começaram a vacinação por volta das 7:30. 

A data que iria ser atendido seria 17/03/2017, mas consegui ser imunizado no dia 04/03/2017. As horas foram passando e foi chegando mais e mais pessoas. Acredito que a fila deu a volta na universidade. Parecia um campo de concentração. Foi uma experiência muito assustadora. Estes tipos de descaso mostra que estou vivendo no subdesenvolvimento. 

Pelo jeito algumas pessoas madrugaram com medo de não serem atendidas. É uma vergonha passar por este tipo de situação. 

Nos jornais só passa notícias de pessoas que estão ficando horas e mais horas em filas na tentativa de serem vacinadas. Houve até um caso de bandidos que invadiram uma unidade de saúde, obrigando os profissionais ali presente a vaciná-los. 

A população tem que estar consciente de uma coisa, há a vacina contra a febre amarela, mas ainda tem o problema de outras doenças não tem vacinas disponibilizadas pelo Estado. Vários vidas se perderam por causa de doenças que podem ser evitadas causa uma revolta muito grande dentro de mim. O meu maior desejo é morar em uma sociedade onde possui uma civilização, pois o Brasil é um caso muito sério de incompetência.