Skip to main content

Feira de plantas em Portugal e loja estranha com livros antigos

Sonhei que estava em Portugal. Tinha chegado em um ponto perto de uma praia, este lugar aparentava ser bastante turístico, estava cheio de pessoas de vários lugares do mundo.

Depois vi que estava em uma feira de plantas. No lugar parecia que só tinha eu e os vendedores. O clima estava nublado, parecia como se fosse o pôr-do-sol. Examinava detalhadamente as plantas. Tinha uma coisa muito estranha, tinha uns pés de tomate com avisos falando que eles estavam com defeito ou algo assim. Os tomates que estavam crescendo eram bem pequenos e sem vida. Eu me interessei por um vaso que tinha um pé de alecrim enorme, perguntou o vendedor quanto que era, ele disse 15 euros. Eu fiquei surpreso com o preço e disse que estava muito caro. 

Eu saí da feira e entrei em uma loja. A loja parecia meio esotérica. Tinha algumas coisas para plantas, objetos e alguns produtos que não sabia o que era. Tudo pareceu muito caro para mim, mentalmente estava tentando comparar com os preços do Brasil. Andando pela loja vi que tinha uma parte do estabelecimento uma espécie de sebo. Lá tinha discos de vinil, CDs e alguns livros. Olhei para um CD e parecia ser de um cantor espanhol. Tinha uma estante que só tinha livros, olhei a parte de baixo e vi várias bíblias. Peguei uma Bíblia grande que parecia ter a capa de couro, depois retornei ela para o lugar. Vi uma Bíblia que gostei, estava custando 7 euros e alguma coisa, tinha o preço na primeira página escrita a lápis. Foi a única coisa que achei que valeria a pena levar. A mulher da loja perguntou porque estava em Portugal. Disse para ela que queria conhecer a terra dos meus antepassados. 

Foi um dos sonhos mais tranquilos que tive, não teve cenas cheio de adrenalina como costuma ter. 

Crianças sequestradas e escadas do arranha-céu

Sonhei que vi duas crianças sendo sequestradas e levadas por dois homens em uma espécie de Kombi. Mas parece que as próprias crianças em outra dimensão conseguiram ver seu próprio sequestro. Elas estavam brincando no que parecia ser o começo de uma floresta. 

Um homem parecia ser bem bruto e forte. Parecia tipo um atirador de filme de velho oeste. O outro era bem gordinho e acredito que era o capanga do outro. Depois que eles pegaram as crianças, eles foram para um caminho dentro da floresta. Por algum motivo, o gordinho saiu do veículo, ele ficou perto de um barranco. Acredito que algum espírito ou alguma coisa o empurrou. Ele começou a rolar entra as árvores, estava muito ferido, provavelmente morreu. O outro homem continuou a viagem e deixou seu funcionário para trás. 

Em outra cena, não vi mais as crianças. O homem bruto estava em uma espécie de corredor. No final desse corredor do lado direito tinha um portão de ferro. Nesse momento vi que eu era um refém e não queria morrer na mão desse cara. No portão tinha um guardião e parecia que era o começo de uma cidade. Entre as grades desse portão consegui ver um número enorme de pessoas. Tinha muitas crianças que estavam saindo de uma escola. Vi que algumas pessoas estavam vindo em nossa direção, elas simplesmente passaram pelas grades e paredes como se não tivesse nada ali!

O homem falou para eu ficar em pé na frente da grade, o guardião me viu e ia pegar a arma para atirar em mim. O meu sequestrador, pegou a arma primeiro e o matou. Ninguém do lugar parecia que estava vendo a cena, éramos invisíveis aos seus olhos. 

Depois disso, consegui entrar na cidade e comecei a correr fugindo. Entrei em um prédio enorme. O prédio era bem antigo e com uma arquitetura nada lógica. Tinha várias e várias escadas. Ia subindo escadas aleatoriamente. Cheguei no último andar e vi as construções embaixo. Queria pular, mas não tinha coragem para isso. 

Fome na cidade, escassez, bebê e fuga para a fronteira

Tive um sonho bem estranho, não é um tipo de sonho que tenho frequentemente. Sonhei que estava em um país que falava espanhol e tinha uma arquitetura parecendo um lugar da América do Sul ou Caribe. Por algum motivo este país estava em guerra ou em um cenário pós-guerra. De algum forma sabia que as pessoas ali estavam passando necessidade. 

Tudo indica que eu era um estrangeiro no local. Vi que estava em uma espécie de oficina com outros rapazes consertando um carro ou alguma máquina. Duas moças muito bonitas estava na frente da loja, dava para ver pois a porta de enrolar de aço da oficina era esburacada. Alguém destrancou o lugar e deixou elas entrarem. Elas tentaram assaltar o local, quando viu que elas não iam conseguir, uma delas começou a se cortar em uma tentativa de suicídio. Alguém a segurou. Falei que ia ajudá-las, pois sabia como fugir pela fronteira. Mostrei uma rota que ninguém conhecia, acredito que elas tentaram chegar até o local indicado. 

Depois me vi com um bebê que tinha muito amor e atenção. Olhava para aquela criança como se fosse o motivo da minha vida. Fui com alguém um supermercado, como fossemos super privilegiados de estar ali. Comecei a chorar falando que poderia sair daquele lugar, mas não queria deixar para trás pessoas que amava. Vi que estava de manhã em um quintal de uma casa que a vizinhança estava com as faixadas todas destruídas, meu objetivo era montar uma bicicleta. Por que queria montar uma bicicleta em uma lugar super perigoso?

Em um anoitecer estava na rota que tinha mostrado para aquelas duas mulheres. Era uma grande fazenda onde tinha dois homens armados. Conseguimos passar o território sem os dois homens nos ver. 

Em outra cena estava em um carro em um lugar que parecia totalmente diferente. Nós chamávamos muita atenção, todas as pessoas ali olhavam para nós dentro do carro. Parecia bem frio e estava com o tempo bem fechado. A maioria das pessoas da cidade tinham a pele bem clara. Tinha algumas pessoas negras e indígenas. O povo daquele lugar parecia ser bem pacífico e com uma convivência muito boa. 

Passei por uma espécie de parque cheio de crianças com seus pais. Fomos para um shopping, mas tinha uma coisa estranha nele, para acessar o espaço tinha que descer por espécie de bastão. Acessei outro espaço, mas não lembro o que aconteceu depois. 

Muito tiro e explorando o mundo

Na transição da tarde para a noite me deu uma vontade enorme de dormir. Hoje foi um dia muito reflexivo para mim. Comecei a pensar e decidi que vou sacrificar muitos hábitos para poder alcançar o que quero sem entraves. Sinto que muitos hábitos que adquiri durante a vida estão sugando a minha felicidade e motivação, devo me desprender deles. Estou me esforçando para aprender a ter foco. Hábitos são que nem drogas é difícil se livra deles, mas eu vou conseguir. 

No meu sono, tive um sonho bem estranho, e acredito que ele me veio para me ajudar a entender algumas coisas. No sonho eu estava com um grupo de pessoas em um restaurante conversando. Nesse grupo que eu estava inserido parecia ter uma pessoa que não estava se enturmando bem, eu estava sendo a “ponte” para ela e os outros. Não lembro o que estava sendo falado, só me recordo do clima da conversa.

Depois chegou nesse restaurante um casal, e este rapaz que não conseguia se socializar, ele gelou quando viu os dois. Acredito que ele tinha fugido ou era um foragido. Talvez aqueles dois eram seus pais ou capangas que veio capturá-lo de uma maneira discreta no meio do povo. Eu percebi que algo normal não estava acontecendo e outros que estavam no lugar também sentiram a mesma coisa. 

Na próxima cena que visualizei já parecia estar tarde. Eu fiquei naquele restaurante com este rapaz, pois sabia que ele não poderia ficar sozinho. Perguntei bem discretamente se ele estava sendo vigiado. Estávamos sentados perto de um balcão, ele pegou nas minhas mãos apertando bem forte embaixo do balcão, começou a puxar este aperto de mãos bem apertado para cima e para baixo. O gesto que ele fez, não sei por que motivo, me deu a certeza que ele estava sendo vigiado. Depois só vi várias pessoas jogadas em cima das mesas, não sei se elas estavam bêbadas, envenenadas ou se houve algum tipo de confusão. 

De repente eu estava em uma casa (acredito que era uma casa) que tinha o comprimento muito grande. Nessa casa várias homens armados estavam atirando contra mim e alguém que parecia ser meu parceiro de guerra. Não sei se a pessoa que estava comigo era o rapaz do restaurante. Parecia que estávamos em um região mais rural. Lembro que peguei uma metralhadora e atirei em um cara que estava perto de atacar a outra pessoa que estava comigo. No caminho tinha vários corpos e armas jogadas no chão. Quando finalmente saímos da casa, fomos para em um quintal com um fundo de terra. Da porta dos fundo desse lugar saiu tipo um zumbi, sabia que não era um zumbi, parecia ser um ser de uma experiência de cientistas de guerra. Este ser tinha um corpo bem frágil, ele estava tentando atacar o meu amigo. Eu tinha uma arma na minha mão que tinha achado e estava com a munição. A bala que tinha ser colocado dentro do buraco daquela arma era enorme, eu estava tremendo muito e não consegui encaixar a munição. Larguei a arma, peguei uma bicicleta  que estava nesse quintal e comecei a espancar o “zumbi”, ele quase conseguiu me atacar, mas consegui quebrar os ossos dele e ele ficou imobilizado. Senti o veneno dele perto do meu rosto, foi bem assustador. Eu e meu aliado começamos a correr para um corredor. Pulamos um muro, este muro tinha uma passagem bem curta, pois tinha um telhado que cobria o local. Estava morrendo de medo daquele ser consegui se levantar  e vir atrás da gente. Por um momento percebi que tudo o que estávamos fazendo estava sendo vigiado. 

Vi que estava sozinho e voei em direção a uma praia, já estava de noite.  A praia era linda, antes da areia tinha uma área gramada cheio de coqueiros e luzes. Este lugar parecia ser uma propriedade privada, disse bem alto para alguém do local que aquilo não foi o suficiente para me matar. Depois de ter falado com este misterioso que quis me matar, comecei a voar pelo mundo. O interessante que vi lugares que pareciam muito familiares, como já estivesse ali muitas outras vezes. Eu sabia que poderia mergulhar nas profundezas no oceano, mas o medo me bloqueava de fazer isso. Durante meu caminho vi muitos e muitos navios. Parecia que eu tinha medo do mar aberto, então seguia voando para perto da terra firme. Em alguns lugares consegui ver muitas pessoas, mas minha presença ali não gerava espanto ou qualquer tipo de reação. 

No final me vi em um comércio, tudo indica que tinha que encontrar com meu irmão em uma loja. Falei para o Luan que ele poderia comprar o que quisesse, eu não parecia estar muito preocupado com dinheiro. Parecia que tudo da loja poderia me pertencer. No sonho apareceu uma pessoa que conheço da graduação, ele estava me mostrando um espaço da loja que estava cheio de tiaras. Comecei a analisar aquelas tiaras de cabelo, nesse momento vi que todos os produtos ali eram de baixa qualidade. Pensei comigo mesmo, que poderia ter muito mais que aquilo. Peguei um objeto de plástico na mão que acredito ser uma tiara de cabelo e falei que se eu quisesse aquilo poderia ser de diamante ou algo mais precioso.  

Não faço a mínima ideia porque estava segurando um tiara, mas isso deve ter algum significado. Talvez este sonho quis me indicar que não devo me envolver com certos tipos de pessoas, ou mostrar um certo instinto protetor para aqueles que estão sob a minha responsabilidade. Depois que acordei, senti certa força em consegui focar nas minhas metas, ter coragem de renunciar e deixar um peso para trás. Ficou claro como meus medos estão me bloqueando, como que o medo está me bloqueando de usar minhas melhores armas e de ir explorar as profundezas. Vi que estava em uma loja barata, mesmo podendo ter tudo aquilo para mim, vi que mereço uma vida de melhor qualidade. 

Sou grato por estar passando por esta transição energética e estar me convertendo em algo que pode me levar para a iluminação. Tive a plena certeza que não estou totalmente só, sempre estou sendo vigiado, não posso ter essa ilusão que os meus atos não terão uma reação do universo.