Skip to main content

Brasil um país pobre e caro

Muita gente tem a ilusão que o Brasil é um país rico. Ter o PIB alto não significa que o país é rico. Aliás, os países desenvolvidos nem usam o PIB como forma de medição, o PNB (Produto Nacional Bruto) é muito mais importante, pois ele realmente mostra mais as condições do país. Quando a maioria da população é de uma classe de renda baixa, isso significa que o país é pobre, pois a maior representatividade desse lugar é a pobreza. A definição de pobreza calculada pelo governo é totalmente irrealista, pois órgãos entendem que dá para viver com um salário mínimo (ou menos que isso), algo que sabemos que não dá. 

A pobreza não é algo visível, pois não é noticiado. Somos bombardeados apenas do que a riqueza pode oferecer, mas não se mostra a verdade atrás disso. Sabemos que para parte da população uma vida de luxo é apenas um sonho, por isso que os programas de televisão (e Youtube) fazem tanto sucesso, as pessoas querem se imaginar com aquilo que veem nas telas. 

Mesmo sendo um país pobre, temos um custo de vida muito alto. O dinheiro que temos no país não vale absolutamente nada, se comprarmos o necessário do necessário, ainda sim, a compra do supermercado pesa e consome uma grande parte da renda (Estou comparando com países de renda alta). Somos um país enorme, com grandes potencialidades de produção, a agricultura nacional deveria fazer os preços ficarem mais baixos.

As coisas são caras por dois fatores: Temos carência muito grande em investimento em logística e o efeito demonstração emite alguns efeitos.

Pelo fato do Brasil ser um país muito grande, transporte rodoviário pode ser algo que pode sair caro. O petróleo no território brasileiro não acompanha o preço internacional e é muito controlado pelo governo. Ou seja, os derivados do petróleo são muito mais caros. Quando compramos algo, tem o custo do transporte embutido, a gasolina cara faz aumentar o preço de praticamente tudo, pois somos dependentes do custo rodoviário. Qualquer país para reduzir custos deve ter uma rede ferroviária descente, pois transporte por trens é um dos meios mais baratos que existem. O litoral do país é enorme e grande parte da população mora mais perto do mar. Por quê não investir em transporte marítimo que ajuda muito a reduzir os custos? Por que não aumenta o transporte por cabotagem? Tem certas coisas que não consigo entender de jeito nenhum. Os custos com gasolina, manutenção de caminhão, com os milhares pedágios que existem, com o risco enorme de perder mercadoria por assalto ou acidente seriam minimizados ou eliminados.  

O efeito demonstração e a acomodação fazem com que os preços se mantenham elevados. Mesmo com altos custos operacionais e com impostos, eles por si só não explicam os preços de muitas mercadorias. Para se mostrarem socialmente, muita gente não questiona em pagar caro para exibir algo aos outros. Isso vai desde um ovo de chocolate até um eletrônico. Muitos consumidores ficam endividados, mas não querem sair do falso glamour. A oferta fazem estudos e fazem cálculos para saberem o quanto que os seus clientes estão dispostos a pagar determinado produto ou serviço. Se tivéssemos uma sociedade mais questionadora, isso pressionaria os preços para baixo. 

Sociedade do consumo e da ostentação que não faço parte

Não vivemos em sistema de castas, mas as disparidades das classes sociais é como quase fosse isso. As marcas dominaram a nossa vida e isso pode representar quem somos e o poder que podemos ter nas mãos. Alguém com um produto da Apple pode mostrar mais status do que um que tem o celular de outra marca. Quanto mais a pessoa pode consumir em relação ao ciclo social, isso também pode dá-la maior popularidade, principalmente quando ela tem algo que a maioria quer e não pode ter. 

Em Economia a palavra “ostentação” pode ser substituída por efeito demonstração. Isso não é um efeito novo. O desenvolvimento da América Latina foi marcada pelo efeito demonstração. A renda era (ainda é) concentrada nas mãos de poucas pessoas. Esta concentração de renda fazia com que houvesse consumo de luxo muito grande. Isso pode ser um dos fatores do atraso que sofremos. Estudando a disciplina Desenvolvimento sócio-econômico e formação econômica do Brasil dá para perceber isso. Pois este dinheiro poderia ter sido usado para investimento, educação e diversificação produtiva.  

Por conta desses desejos de ter mais popularidade ou adquirir algo por satisfação pessoal, a maioria não consegue fazer poupança. Sacrificam a vida toda no ter, mas no final não tem nada. 

Para quem pode comprar e não tem pressão financeira ao ter esses bens, não há maiores problemas. A grande crise é quando não se tem condições e a partir disso viver a base de crédito. Esta sociedade do consumo e da ostentação, pode aumentar as dificuldades da vida, principalmente quando chega a certo ponto que a pessoa não consegue arcar com seus compromissos. 

Deveríamos ter relações mais saudáveis, onde a inveja e a compulsividade fosse reduzidas. O marketing, e como ele atinge as pessoas é de maneira surpreendente. Elas acham que estão sendo empoderadas, mas no fundo há certa fraqueza e se tem a necessidade de um escudo. Só que este escudo não dura muito e sempre precisa ser renovado.