Skip to main content

Salvando uma espécie de vida de um assassinato

Sonhei que estava no que parecia ser outro planeta/dimensão. Eu era uma garotinha ou me conectei emocionalmente com uma. Eu tinha conhecido uma espécie de criança-esqueleto (vivo), o ser tinha a cabeça triangular e os ossos não eram conectados, tinham um vazio entre eles, os olhos apenas ficavam flutuando dentro do triângulo. 

Estávamos numa praia com uma enorme extensão de areia, lá tinha um esqueleto que parecia ser da espécie dele. Este esqueleto era adulto e tinha as estruturas do corpo mais complexas. Ele usava uma espécie de armadura, este esqueleto estava lá para matar o menor. O menor começou a entrar em desespero, parece que o grande agarrou ele. Não sei como eu matei/derrubei o maior. Dentro da cabeça (a cabeça era parecida com nosso crânio, tinha sensação de profundidade) daquele ser saiu uma espécie de lava. O menor se liquefez na areia, parecendo um espécie de camuflagem. Eu escutei umas crianças brincando na praia, mais perto do mar, mas não sabia se era da espécia deles ou humanos. Eles estavam vendo a situação e ignoraram ou não estavam vendo o que estava acontecendo.

As crianças começaram a gritar e sabia que tinha perigo a vista. Ouvi uns barulhos estranhos e uma espécie de “vento” sobre a pele que sabia que era uma representação de perigo. O tempo naquele dia parecia ser um fim de tarde. A garota avistou uma casa perto da praia. Ela tentou puxar a criança-esqueleto da areia, ele parecia muito zonzo. Finalmente ela conseguiu puxar o ser para a casa. A garota estava tendo pensamentos como: “Se esta casa está abandonada por que ela está intacta?”, “Se houve uma devastação, por que os vidros das janelas estão perfeitos?”, uma espécie de questionamento daquela realidade.

Ela abriu uma janela giratória de lado, só que o espaço para entrar era muito pequeno. Ela se sentiu idiota de ter entrado com a mochila, pois o tempo estava curto. Ela tinha que ter jogado a mochila na casa, depois ter entrado com a criança-esqueleto. Forçando a entrada, em um momento conseguiu estar dentro da casa. Lá dentro ela se questionou como as coisas estavam perfeitas e sem nenhuma sujeira. A menina tentou achar um lugar para se esconder que não desse vista para a praia. Ela achou um quarto nos fundos da casa que tinha vista para uma espécie de lavanderia. Ela e a criança-esqueleto se esconderam debaixo da cama, ela achou um pano e tentou cobrir os dois, mas o pano era pequeno demais e não dava. 

Uma mulher com roupa de soldado os encontrou, a garota implorou para não matar a criança-esqueleto. Ela fez o contato com o chefe dela via vídeo-conferência. A garota falou com o homem. Ele falou que precisava fazer aquilo (matar os “esqueletos” para ganhar dinheiro para pagar os estudos), ele cobrou um valor para poupar a vida da criança-esqueleto. Parece que teve uma espécie de “bug” naquela realidade, depois ele falou a mesma frase, mas cobrando um preço menor. Parece que a garota pagou virtualmente. Na “tela” do sonho abriu uma espécie de programa que mostrou o valor disponível, nesse momento vi as coisas pelos olhos dela. 

O sonho acabou aí, acredito que tudo deu certo. 

Mother of cry baby kill father Ramon Cristian - Fanfiction - Xarope continua sendo xarope - Melanie Martinez - Capítulo 3

Fanfiction – Xarope continua sendo xarope – Melanie Martinez – Capítulo 3

As farsas na casa de Melanie estavam ficando insustentáveis. O irmão não ficava mais em casa, pois seus amigos, outros exploradores no mundo dos entorpecentes, era a sua nova família. O pai já nem ligava que todos ali dentro soubessem de suas traições. A mãe estava ficando cada vez mais louca, sua raiva estava transbordando do seu corpo, a máscara social não importava mais, sua imagem foi destruída.

A mente da mãe da Cry Baby passava várias cenas de vingança que ela acreditava que apenas estaria dentro da sua cabeça. Um dia o pai chegou bêbado com a amante, ela não estava acreditando que estava vendo aquela cena, sabia que aquilo tinha acontecido outras vezes, mas ele era mais discreto, preferia quando ele sumia e coisas do tipo aconteciam fora de casa. Melanie ouviu barulhos na casa, mas ficou quieta em seu quarto, apenas pegou o edredom e cobriu parte do rosto.

A mãe viu o marido e a amante atravessarem o corredor escuro, os viu entrar em um quarto. Ela lentamente dirigiu-se até a cozinha. Sentou-se no balcão forrado de couro preto fosco, respirou profundamente. Colocou a mão no rosto, começou a chorar. Depois ela levantou, pegou uma caneca com o formato de um ursinho, era um copo que Melanie gostava muito, mas não era mais usado, pois a filha se considerava crescida para usar aquele utensílio. Ela se dirigiu até a copa, pegou uma garrafa de conhaque, provavelmente aquela bebida estava guardada por pelo menos uma década, parecia tão especial que estava em posição central na vitrine. Encheu a caneca-ursinho com a bebida e começou a beber, cada gole queimava a sua garganta. Logo em seguida, pegou uma faca bem grande e afiada na primeira gaveta do armário e a lambeu. Estava decidida a acabar com tudo, aquele dia iria mudar a sua vida para sempre.

Foi no porão, pegou uma corda. Depois ela regressou à cozinha, pegou a faca que estava no balcão, segurou-a pela boca (através do suporte), delicadamente subiu a escada. Entrou bem devagar no quarto que estava seu marido e a amante. Viu que eles estavam dormindo. Os amarrou na cama de um modo que não acordassem. Colocou um líquido num pano, e colocou nas narinas dos dois. Agora ela sabia que não iriam acordar tão cedo. Os desamarrou, pegou duas cadeiras da cozinha e colocou-as no corredor. Usou uma força que ninguém imaginaria que possuía, os colocou sentados nas cadeiras. Eles estavam opostos um ao outro, desse modo, quando acordassem um poderia sentir o desespero do outro, mas não se veriam. Depois ela pegou uma fita bem forte, para ter certeza que não teriam como escapar, os amarrou com a corda novamente, depois passou a fita nos seus tornozelos, nas suas mãos e passou sem dó nas suas bocas para que não pudessem gritar. A amante estava com a cabeça abaixada na cadeira, pois estava visivelmente apagada, a traída levantou a cabeça daquela jovem de maquiagem provocante, apertou as bochechas delas, e deu um tapa bem forte na cara da sua futura vítima. Ela voltou a cozinha, bebeu mais, bebeu até terminar toda aquela garrafa que com certeza custava alguns milhares de dólares. Depois voltou, pegou a faca que estava no lugar, pegou outra cadeira e ficou sentada ali. Os dois finalmente acordaram, se debateram nas cadeiras, ela não queria finalizá-los sem antes os fazerem sentirem dor. Depois de ver as lágrimas da amante, o seu ódio subiu ainda mais, num antes de coragem, esfaqueou o pescoço dela, vendo o desespero do marido, não aguentou vê-lo tão preocupado com outra, o matou logo em seguida do mesmo modo. 

Depois da tragédia, os desamarrou, ela pegou os corpos e jogou em cima da cama de casal, os enrolou em uma coberta, o lugar estava cheio de sangue por todos os lados. Nesse momento a Cry Baby estava dormindo, como já ia amanhecer, os barulhos estranhos a fizeram despertar, sua casa era cheio de barulhos estranhos, mas aquele era mais estranho que os outros. Toda sonolenta, andou pelos corredores, viu sua mãe embalando os corpos, ela ficou totalmente sem reação com a cena que estava vendo. A garota simplesmente ficou imóvel, não conseguiu gritar, não conseguiu correr, não conseguiu andar, só ficou congelada como uma pedra de gelo. A mãe olhou para trás e viu a menina. Ela parou o processo de embalamento, foi no criado mudo, embebedou um pano com o líquido de uma garrafa. Andou até a Cry Baby, o máximo que a filha fez foi dar dois passos para trás, a pegou por trás e forçou o seu rosto contra o pano. Amarrou a menina na cama, que apenas retomaria a consciência momentos depois. Por um momento ela pensou em dar um fim na filha também, mas não teria coragem de matá-la.

A mãe da Cry Baby sumiu no mundo, ninguém sabe se ela criou outra identidade ou se matou em algum lugar. Foi descoberto que o seu pai trabalhava para um cartel, era funcionário de uma complexa organização de distribuição de produtos ilegais. Ele não teria nenhuma moral para lidar com um filho drogado, sendo que era responsável por vários drogados. A mãe sabia, mas fingia que estava tudo bem, se fazia de burra.

Um casal que deixou os filhos depressivos e sozinhos, cada um foi para seu próprio mundo de vulgaridade, a mãe preocupada com seus anéis de ouro, silicone, suportava o marido, o chamava de “amor” de vez em quando para ganhar alguma coisa em troca. O pai exibindo mulheres, as denominava de sua propriedade, este era um modo de querer demonstrar o seu poder. No final não teve como esconder nada, afinal, um xarope continua sendo um xarope em uma mamadeira.

Para aquela mãe, as pílulas de dieta não foram suficientes, a maquiagem não escondia a sua insegurança, os procedimentos de beleza que colocam sua vida em risco, que acreditava ser o preço que tinha que pagar para ser amada. Nada disso adiantou, ela se tornou uma assassina, uma assassina do próprio marido.

Palhaço assassino na festa de gala e bebida de mel

festa de gala ramon cristian palhaço assassino revólver - Palhaço assassino na festa de gala e bebida de mel

Este sonho há vários significados que não faço a mínima ideia do que seja. Ou talvez, foi apenas minha mente que criou estas imagens tendo sentido nenhum. 

A primeira cena que lembro, foi eu chegando em uma festa de gala. Dava para perceber que havia apenas pessoas ricas no local. Todos estavam muito bem arrumados e as mulheres usavam várias jóias. Parecia que eu estava muito inseguro, sendo a primeira vez que participava de algo do tipo. Senti que estava colocando uma “máscara” para poder me enturmar no meio daquela gente. 

Tenho a impressão que estava sendo “iniciado” por alguém naquela sociedade. Depois de um tempo, procurei um lugar para sentar. No momento que eu sentei, chegou uma senhora com mais idade e sentou perto de mim. Ela se sentiu muito a vontade com a minha presença, toda sorridente e bem confortável. Um garçom passou e nós pegamos alguns drinks. Eu não bebo álcool, não tenho certeza, mas acho que perguntei se as bebidas eram alcoólicas. Esse senhora parecia uma pessoa muito poderosa, com muito dinheiro e poder (ainda bem que ela gostou de mim). 

Estava ficando mais tranquilo e relaxado. Quando chegou um cara de terno, todo bem vestido, mas com um detalhe. Este homem usava uma maquiagem de palhaço. Ele tirou um revólver do paletó e matou um cara que estava com o corpo encostado na parede. Nesse momento levei um susto muito grande e fiquei com um suor frio, tentei me controlar o máximo para não aparentar desespero. Na festa todo mundo estava conversando e confraternizando como se nada tivesse ocorrido. Vi o sangue do morto escorrer pelo chão. Eu peguei minha bebida e em poucos goles tinha terminado de beber. No final da taça tinha mel e achei aquilo curioso. 

A impressão que tive que a festa foi organizada para matar o cara. Ele devia ser um traidor e/ou ter falado demais. Talvez isso é um alerta para algo no futuro.