Skip to main content
Mother of cry baby kill father Ramon Cristian - Fanfiction - Xarope continua sendo xarope - Melanie Martinez - Capítulo 3

Fanfiction – Xarope continua sendo xarope – Melanie Martinez – Capítulo 3

Avalie este post

As farsas na casa de Melanie estavam ficando insustentáveis. O irmão não ficava mais em casa, pois seus amigos, outros exploradores no mundo dos entorpecentes, era a sua nova família. O pai já nem ligava que todos ali dentro soubessem de suas traições. A mãe estava ficando cada vez mais louca, sua raiva estava transbordando do seu corpo, a máscara social não importava mais, sua imagem foi destruída.

A mente da mãe da Cry Baby passava várias cenas de vingança que ela acreditava que apenas estaria dentro da sua cabeça. Um dia o pai chegou bêbado com a amante, ela não estava acreditando que estava vendo aquela cena, sabia que aquilo tinha acontecido outras vezes, mas ele era mais discreto, preferia quando ele sumia e coisas do tipo aconteciam fora de casa. Melanie ouviu barulhos na casa, mas ficou quieta em seu quarto, apenas pegou o edredom e cobriu parte do rosto.

A mãe viu o marido e a amante atravessarem o corredor escuro, os viu entrar em um quarto. Ela lentamente dirigiu-se até a cozinha. Sentou-se no balcão forrado de couro preto fosco, respirou profundamente. Colocou a mão no rosto, começou a chorar. Depois ela levantou, pegou uma caneca com o formato de um ursinho, era um copo que Melanie gostava muito, mas não era mais usado, pois a filha se considerava crescida para usar aquele utensílio. Ela se dirigiu até a copa, pegou uma garrafa de conhaque, provavelmente aquela bebida estava guardada por pelo menos uma década, parecia tão especial que estava em posição central na vitrine. Encheu a caneca-ursinho com a bebida e começou a beber, cada gole queimava a sua garganta. Logo em seguida, pegou uma faca bem grande e afiada na primeira gaveta do armário e a lambeu. Estava decidida a acabar com tudo, aquele dia iria mudar a sua vida para sempre.

Foi no porão, pegou uma corda. Depois ela regressou à cozinha, pegou a faca que estava no balcão, segurou-a pela boca (através do suporte), delicadamente subiu a escada. Entrou bem devagar no quarto que estava seu marido e a amante. Viu que eles estavam dormindo. Os amarrou na cama de um modo que não acordassem. Colocou um líquido num pano, e colocou nas narinas dos dois. Agora ela sabia que não iriam acordar tão cedo. Os desamarrou, pegou duas cadeiras da cozinha e colocou-as no corredor. Usou uma força que ninguém imaginaria que possuía, os colocou sentados nas cadeiras. Eles estavam opostos um ao outro, desse modo, quando acordassem um poderia sentir o desespero do outro, mas não se veriam. Depois ela pegou uma fita bem forte, para ter certeza que não teriam como escapar, os amarrou com a corda novamente, depois passou a fita nos seus tornozelos, nas suas mãos e passou sem dó nas suas bocas para que não pudessem gritar. A amante estava com a cabeça abaixada na cadeira, pois estava visivelmente apagada, a traída levantou a cabeça daquela jovem de maquiagem provocante, apertou as bochechas delas, e deu um tapa bem forte na cara da sua futura vítima. Ela voltou a cozinha, bebeu mais, bebeu até terminar toda aquela garrafa que com certeza custava alguns milhares de dólares. Depois voltou, pegou a faca que estava no lugar, pegou outra cadeira e ficou sentada ali. Os dois finalmente acordaram, se debateram nas cadeiras, ela não queria finalizá-los sem antes os fazerem sentirem dor. Depois de ver as lágrimas da amante, o seu ódio subiu ainda mais, num antes de coragem, esfaqueou o pescoço dela, vendo o desespero do marido, não aguentou vê-lo tão preocupado com outra, o matou logo em seguida do mesmo modo. 

Depois da tragédia, os desamarrou, ela pegou os corpos e jogou em cima da cama de casal, os enrolou em uma coberta, o lugar estava cheio de sangue por todos os lados. Nesse momento a Cry Baby estava dormindo, como já ia amanhecer, os barulhos estranhos a fizeram despertar, sua casa era cheio de barulhos estranhos, mas aquele era mais estranho que os outros. Toda sonolenta, andou pelos corredores, viu sua mãe embalando os corpos, ela ficou totalmente sem reação com a cena que estava vendo. A garota simplesmente ficou imóvel, não conseguiu gritar, não conseguiu correr, não conseguiu andar, só ficou congelada como uma pedra de gelo. A mãe olhou para trás e viu a menina. Ela parou o processo de embalamento, foi no criado mudo, embebedou um pano com o líquido de uma garrafa. Andou até a Cry Baby, o máximo que a filha fez foi dar dois passos para trás, a pegou por trás e forçou o seu rosto contra o pano. Amarrou a menina na cama, que apenas retomaria a consciência momentos depois. Por um momento ela pensou em dar um fim na filha também, mas não teria coragem de matá-la.

A mãe da Cry Baby sumiu no mundo, ninguém sabe se ela criou outra identidade ou se matou em algum lugar. Foi descoberto que o seu pai trabalhava para um cartel, era funcionário de uma complexa organização de distribuição de produtos ilegais. Ele não teria nenhuma moral para lidar com um filho drogado, sendo que era responsável por vários drogados. A mãe sabia, mas fingia que estava tudo bem, se fazia de burra.

Um casal que deixou os filhos depressivos e sozinhos, cada um foi para seu próprio mundo de vulgaridade, a mãe preocupada com seus anéis de ouro, silicone, suportava o marido, o chamava de “amor” de vez em quando para ganhar alguma coisa em troca. O pai exibindo mulheres, as denominava de sua propriedade, este era um modo de querer demonstrar o seu poder. No final não teve como esconder nada, afinal, um xarope continua sendo um xarope em uma mamadeira.

Para aquela mãe, as pílulas de dieta não foram suficientes, a maquiagem não escondia a sua insegurança, os procedimentos de beleza que colocam sua vida em risco, que acreditava ser o preço que tinha que pagar para ser amada. Nada disso adiantou, ela se tornou uma assassina, uma assassina do próprio marido.

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.