Skip to main content
Carrossel melanie martinez Ramon Cristian - Fanfiction - Carrossel - Melanie Martinez - Capítulo 4

Fanfiction – Carrossel – Melanie Martinez – Capítulo 4

Avalie este post

Depois de todas as suas tragédias de infância. Melanie finalmente chegou a adolescência. Ela foi morar com a sua avó materna, que se sentia uma tonta por não ter percebido nada do que estava acontecendo com a filha, os netos e com o genro. A menina passou por tratamentos psicológicos para lidar com os seus traumas. Nunca mais teve proximidade com sua mãe, seu pai e seu irmão, provavelmente estavam mortos ou na cadeia.

Ela chegou em uma fase que sentia que era necessário sair. Sua avó não teria a capacidade de defendê-la de todos os perigos do mundo. Melanie precisava de suas próprias experiências. Mesmo com tudo o ocorreu, ela ainda acreditava que existia amor no mundo e que alguém poderia amá-la.

Em um dia qualquer, ela viu um anúncio que chegaria um parque de diversões na cidade. Ela gostava muito de carrossel, os achavam bonitos, Melanie gostaria de ter um carrossel em miniatura para que suas bonecas pudessem ter esta diversão. Estava decidida em ir no parque. Se arrumou toda, provavelmente era a pessoa mais arrumada na história indo em um parque de diversão. Colocou um vestido vintage e um arco na cabeça. Estava muito feliz por ter a oportunidade de ter esta experiência.

Quando chegou no parque, ela ficou assustada com a quantidade de pessoas que tinha no local, foi a primeira vez que via tanta gente. Estava com muita vergonha, mesmo assim, tentou encontrar algum funcionário do local para perguntar aonde ficava o carrossel. Ela encontrou uma senhora que a direcionou para onde deveria ir. Quase chegando lá, viu como seria estranho estar em um carrossel. A fila só tinha crianças com seus pais, como já estava lá, não iria desistir.

Um funcionário a ajudou a subir no carrossel, quando ela estava rodando em cima do aparelho, viu um cara rindo de maneira meiga, vendo aquela jovem em cima de um unicórnio. Parece que a atenção dela só ficou direcionada para aquele rapaz. Ele estava de calça jeans, camisa regata, mostrando os músculos, ele tinha o olhar bem penetrante. O carrossel estava indo em uma direção que não teria como vê-lo, ela virou a cabeça, sendo que ficou visível o interesse dela por ele.

Melanie percebeu que estava apaixonada. Como poderia se apaixonar tão rápido? O desejo dela era correr para os braços daquele desconhecido. Depois que o carrossel parou, ele chegou perto dela, vê-lo era como um conto de fadas. Era difícil acreditar que ele estava tão perto dela. Ele a convidou para um passeio, para brincar nos brinquedos. Ela pagou para eles um jogo de atirar água no alvo. “Por que estou pagando um jogo para um desconhecido? ”, ela pensou. Se sentiu um pouco burra, percebeu que estava sendo usada. Depois ele pediu para segurar a mão dela, o seu coração se derreteu, todos os seus pensamentos de como estava sendo trouxa ficaram para trás instantaneamente. Como ele era bonito e alto, será que poderiam ter um relacionamento?

Descobriu que o nome dele era Houdini. Ele a enrolou, falando que estava sem dinheiro. Se ela poderia pagar alguns brinquedos para ele, que depois eles saíram e teriam melhores dias da vida. Mesmo não o conhecendo, teve a sensação que, de certo modo, estava presa em um tipo de relação. Ela estava se divertindo, os jogos e as diversões estavam legais. Como ela tinha comprado aquele ingresso, não teria mais volta. Melanie estava focada em ir no carrossel, não pensaria que entraria em um jogo da paixão.

Foram para uma casa de espelhos, se viram de todos os formatos, alguns formatos eram assustadores. O Houdini por dentro poderia ser que nem algumas figuras bizarras dos espelhos mágicos. Depois foram para a caverna dos horrores, Melanie pensou que poderia usar o momento para segurar mais forte os braços do rapaz. Quando entraram, ela tomou vários sustos, até que, chegou um momento que tudo ficou em um silêncio total. “Melanie vá naquela direção, vou ver se a saída é por aqui, qualquer coisa te chamo ou você me chama”, O Houdini sugeriu. Ela concordou, os dois foram para direções diferentes. Melanie viu que ali era caminho sem saída, tomou mais alguns sustos, agora sozinha, tentou ir pelo caminho que o Houdini tinha ido, lá era a saída. Mas não o viu, perguntou pessoas próximas se tinham visto alguém de regata sair do brinquedo, uma senhora que estava esperando a neta sair do aparelho, falou que tinha visto um rapaz com características parecidas com a descrição ter saído da caverna uns minutos antes.

Bateu um desespero na Melanie, será que ele tinha ido no banheiro ou ido comprar alguma coisa? No fundo, ela tinha a esperança que talvez ele foi buscar algum presente para fazer uma surpresa para ela. Passou 15 minutos… 30 minutos… 1 hora! Ele não voltaria para a saída daquele brinquedo…, ela pensou em ir embora, mas ficou rodando o parque em busca do Houdini. Acabou o vendo, ele estava segurando a mão de outra garota. Houdini olhou para Melanie com desprezo. Ela entendeu o recado que ele queria passar. Melanie se sentiu derrotada, primeira vez que alguém chega perto dela e fora a primeira vez que levou um fora. Afinal, se no primeiro dia, ele fez isso, imagina se tivesse começado um namoro, as coisas iam ser piores.

Realmente, ela tinha sido feita de trouxa. Ela apenas estava criando ilusões com um desconhecido. Como ele foi capaz de insinuar sentimentos por ela?! Naquela noite, ela gastou quase todas as suas moedas, moedas que guardou por tanto tempo. Melanie pensou que teria sido melhor nem ter saído de casa, se fosse para ir no parque, que fosse apenas para ter ido andar no carrossel. Ela mesmo abalada, entrou na fila das crianças, para usar seu último dinheiro para ficar um tempo no unicórnio no carrossel.

Depois foi embora, chegou em casa, chorou, mesmo grande, era uma bebê chorona. Não contou nada para ninguém do que tinha ocorrido. Se arrumou para deitar, disse que deixaria toda esta história para trás.

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.