Skip to main content

Estilo ulzzang e Harajuku – As modas asiáticas

Quem me conhece sabe que gosto muito da cultura asiática. Algo que gosto muito de saber é sobre o estilo Ulzzang que é proveniente da Coreia do Sul. Harajuku é um bairro de Tóquio onde se possui muitos estilos diferentes. Gostaria muito de ter esta experiência de provar estes estilos.

Ulzzang

Antes ficava muito mal de ver os ullzangs. Nas fotos as pessoas parecem tão perfeitas, sem nenhuma imperfeição na pele e com roupas impecáveis. Este vídeo abaixo mudou tudo, pois descobri que na maioria das vezes as fotos são super editadas.

Descobri um editor que se chama XiuXiu, um software chinês muito prático quando se aprende a mexer. Também tem a versão online.

Software

Versão online

 

Descobri um editor que se chama XiuXiu, um software chinês muito prático quando se aprende a mexer. Também tem a versão online. 

Software

Versão online

Quando tiver uma renda melhor e oportunidade, desejo fazer alguns visuais ulzzang no futuro. É algo que para mim lembra juventude e leveza. É um estilo elegante e simples ao mesmo tempo.

Harujuku

Há uma imensidade de estilos no Japão, a maioria deles se concentram em Harajuku. Este lugar é um bairro de Tóquio onde se pode encontrar várias pessoas criativas. Aos poucos foi descobrindo que esta região existia por causa das bandas de J-rock que normalmente usam o estilo Kei e no Youtube pesquiso muito sobre lentes de contato. Nessas pesquisas acabei descobrindo o site Tokyo Fashion, no canal de vídeos tem vários tutoriais. 

Este vídeo sobre circle lenses foi um dos primeiros que eu vi e sempre me atualizo das novidades. O site também é muito bom e vale a pena dar uma conferida:

 Tokyo Fashion

Sou apaixonado pelo conceito kawaii, enquanto meus amigos preferem um visual mais maduro. Sou totalmente o oposto, prefiro um estilo mais criança e adolescente. Há muitas modas pelo mundo afora que podemos achar interessante. Fazendo uma pesquisa na internet dá para encontrar muita coisa legal. A maioria das coisas não usaria no dia a dia, mas é sempre bom ter uma inspiração. 

Piores professores da minha vida

A escola é um momento em que há grande transformação nas nossas vidas. Temos que aprender a se socializar e aos poucos temos mais responsabilidades. Os professores são muito importantes para a nossa formação, felizmente a maioria dos meus professores foram maravilhosos e não tenho muito o que reclamar. Mas como a vida não é perfeita, também tive professores péssimos que já me deixarem bem ruim.

A minha primeira experiência ruim foi na segunda série (atual terceiro ano), comecei o ano em uma sala super de boa. Mas depois de umas semanas me colocaram em uma sala mais “avançada”, pois a maioria do conteúdo da outra sala já tinha domínio. Foi um dos piores anos da minha vida na ótica escolar. Não fiz amizade com ninguém, fui culpado de coisas que não fiz, tenho ódio disso até hoje, espero que estes pedagogos dessa época estejam todos mortos. Sim, tenho sentimentos vingativos. Tinha uma professora muito amarga, ela sempre estava com a cara fechada e era bem antipática. Apenas dava atenção a dois alunos da sala, que provavelmente deviam ser os riquinhos. Na época eu era bem inocente e não via nenhuma maldade no mundo. Em um final de semana, retirei todo o meu tempo para fazer uma história em quadrinho para a professora e levei uma maçã, a referida senhora, pegou a minha história, rasgou em pedaços e jogou no lixo.

Ainda bem que os meus outros anos foram bem melhores do que este. No ensino médio tive professores que faziam o que queriam e ficava por isso mesmo. Tive problema com um professor de física que me acusou de ter roubado uma prova, tinha um menino da minha turma que me odiava e falou que tinha passado a prova roubada para mim. Depois de um tempo, descobriu-se quem pegou a maldita prova, mas ele não deve coragem de pedir desculpa para mim.

No ensino superior tive um professor de matemática que teve a audácia de chamar as pessoas da turma, de pessoas menos capacitadas, que não tínhamos determinadas inteligências desenvolvidas.

Com o tempo estou ficando mais crítico e não estou aceitando todas as coisas que dizem para mim.

O triste mundo das drogas

Vivemos em uma sociedade onde temos muitos dependentes químicos. Seja de álcool, cigarro e outras substâncias. Eu realmente gostaria de entender o porquê das pessoas gostarem de usar produtos que afetam a consciência. Sei que muita gente faz isso com uma esperança de esquecer dos problemas e tem aqueles que querem ter novas sensações.

Não sei se eu sou muito conservador, ou a sociedade que é liberal demais. Meu pai, por exemplo, é viciado em álcool e ele possui uma vida que não desejo a ninguém. Ele é alguém que nunca admite as suas atitudes, e sempre quer buscar um culpado. Ele já me usou como culpa, mas atualmente apenas tenho dó da situação dele e não me deixo abalar mais com isso.

Na universidade, tem muitos estudantes (e professores) que fumam muito. Fumam cigarro industrial, não sei qual o nome que se dá. Vejo que muita gente usa maconha e mais raramente visualizo alguém com um cigarro de palha. Acho impressionante que quem fuma, não percebe o cheiro. Para mim, o cheiro de cigarro é insuportável e me dá dor de cabeça.

Álcool é uma droga socialmente mais aceita.

Hoje consigo ter uma visão mais ampla sobre o que é uma droga. Não vejo muita diferença entre o uso de álcool ou outra substância que pode afetar a consciência de uma pessoa.

Vejo uma esfera muita pesada nesses estilos de vida que envolve noites de sexo sem compromisso, uso de drogas e alguns tipos de comportamento. Realmente queria entender o porquê das pessoas viverem assim.

Sei que com a cobrança que a sociedade nos impõe, muita gente não aguenta e não suporta tal responsabilidade e quer buscar uma maneira de fugir de disso, e a droga é a solução. Acontece que também existe aquelas drogas estimulantes para que se possa aguentar um ritmo intenso de trabalho, um exemplo disso é a cafeína.

Sinceramente não tenho esperança que isso vai mudar, o governo pode pressionar por todos os lados. Mas sempre vai haver uma demanda por drogas, é tentador construir uma oferta para esses produtos.

Com o tempo e com uma experiência maior de vida, posso ver o que vai acontecer com os viciados e saber como é o processo do vício.

 

O que realmente é ser um adulto

Quando estamos em transição de uma fase da vida para outra, há muita expectativa de como vai ser as possíveis mudanças. Vou mostrar minha experiência do que realmente é ser um adulto. 

Fazer dezoito anos não significa que terá independência total e que não precisará mais de ninguém.

Nessa nova etapa, muita gente ainda é dependente dos pais, alguns conseguem ser parcialmente mais independentes financeiramente e o mais raro, há aqueles que conseguem se estruturar a partir da juventude. 

A mentalidade de algumas pessoas é a mesma desde a adolescência, não variando muita coisa, acredito o que desenvolve o amadurecimento do ser humano é quando se tem filhos. Em tempos anteriores quando as pessoas tinham filhos bem cedo, elas tinham uma carga de responsabilidade muito maior, então temos a impressão que elas eram mais maduras.

Na universidade tem situações que são muito mais infantis que no ensino médio. Uma vez uma amiga minha me falou “Os adultos são que nem crianças, você fala para uma criança que não pode fazer e ela faz, com os adultos é a mesma coisa”. 

Saí da casa da minha mãe com dezessete anos por causa dos estudos, aprendi muita coisa que antes era automático para mim. Nunca tinha marcado uma consulta com médico na vida, tive que aprender a esperar nas filas para isso. Tive que aprender a saber como controlar a quantidade de comida que devo fazer, ter a melhor estratégia para poder maximizar a utilidade do dinheiro para fazer uma compra satisfatória no supermercado e que economizar energia é importante para sobrar dinheiro para poder fazer outras coisas. 

Acredito que é muito importante ser responsável. Vejo que muita gente anda desmotivada e se vê muita desesperada quando gradualmente se tem a necessidade de ter mais independência. Todo processo é um pouco difícil no começo, mas vamos nos adaptando.