Skip to main content

Um ser vazio e como ser enchido pelos outros

Avalie este post

Um grande erro que cometi na vida foi mostrar meus gostos e não causar uma curiosidade nas pessoas, desse modo diminuindo a empatia.

Quando conhecemos alguém, e não sabemos nada sobre ela ou sabemos pouco, tem-se uma ilusão de como aquela pessoa é. Calados são vistos como misteriosos e intrigantes, porque é difícil saber seus gostos e hábitos. Em um primeiro momento é interessante ser vazio e tentar ser um reflexo da convivência. 

Ser diferente do padrão pode causar espanto e afastamento. Acredito que o processo de conhecer deve ser lento. Por exemplo, nos primeiros dias de convivência com alguém, já quero mostrar os meus gostos. Mostro músicas de K-pop, Lana del Rey, Melanie Martinez e etc. Falo de animes, cultura japonesa e sobre o universo Otaku. Acontece que, muita gente não está familiarizado com este tipo de conteúdo e acaba achando estranho. Na cabeça dela, ela não terá nenhum tipo de assunto para compartilhar comigo e eu com ela. 

Alguns tem a experiência de poder passar grande parte do dia e da vida apenas convivendo com pessoas de gostos em comum. Outros não tem esta experiência, parte da sociedade do Brasil (outros países ocidentais deve ter esse mesmo padrão) durante o dia convive com um ambiente diverso. 

Aprendi que é um exercício muito eficaz deixar a outra pessoa falar primeiro, prestar atenção para perceber pontos em comum, para desse modo, poder se aproximar ou afastar. 

Desde já, tenho essa missão de melhorar as minhas convivências. Uns assuntos que sempre dá certo em um começo de conversa, é dizer sobre comida, animais e um tema sobre o lugar que você está (por exemplo: se está na aula de Geografia, falar sobre o que foi falado na aula). Não é legal ficar falando mal dos outros ou da vida pessoal.

A intimidade vai se criando com o tempo, um passo de cada vez

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.