Skip to main content

Tia Ciata – Um filme que me fez emocionar

Avalie este post

Eu fui no 24º festival de cinema de Vitória que foi sediado no teatro Carlos Gomes. Vi os curta-metragens da 2ª mostra Cinema e Negritude. O ambiente estava muito bem organizado e muito aconchegante. Primeiro estava tendo uma apresentação e alguns atores e produtores dos filmes falaram na frente do palco. A apresentadora fez o agradecimentos e anunciou os patrocinadores do evento. 

Tia Ciata filme curta metragem - Tia Ciata - Um filme que me fez emocionar

Antes de começar os filmes, foi exposto alguns comerciais das empresas patrocinadoras. O comercial da Petrobrás estava maravilhoso, até arrepiei de tão bom que foi a produção. O filme Tia Ciata lembrou um pouco da minha própria história. Nós vivemos em um país onde maior parte da população é negra e mestiça, mas a cultura afrodescendente é excluída das mídias tradicionais. 

Foi imposto aos negros uma nova forma de vida, com a intenção de tentar apagar o passado e a riqueza que os antepassados africanos nos deram de ensino. Tia Ciata foi uma mulher influente, que não se deixou abalar pela censura. Vi como a dança, a música e os contos são formas de viver em comunidade, unir os laços e viver a vida com mais alegria. Fiquei mais sensível sobre o surgimento de músicas nacionais. Tia Ciata deu uma grande contribuição para o Samba. O Samba é uma forma de expressão, que mostra a história, as lutas e as alegrias do povo. Senti algo diferente, no filme mostra um olhar mais humano e menos comercial (como é vendido o samba no Carnaval que passa na televisão na atualidade).

Foi muito interessante ouvir de mulheres negras quais são as dificuldades das mulheres negras. O filme tem cenários simples, mas com uma riqueza exuberante. Parabéns a todos que produziram este material de excelente qualidade. Ir nessa amostra expandiu mais minha consciência, me mostrou que o Brasil produz e tem condições de produzir conteúdo de excelente qualidade. 

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.