Skip to main content

Tempo perfeito e passeio com um amigo

Ontem tive o dia bem abençoado. Fiz comida, tirei cópias de alguns documentos e mais no final da tarde sai com um amigo. 

Fomos ao Shopping Vitória e foi bem legal. Ele ficou me perturbando, querendo que eu fizesse natação com ele e com outro amigo nosso. Eu disse que estava sem roupa de banho, ele falou que ia comprar para mim. Não estava acreditando muito, pois ele fala muita bobagem. 

Realmente, fomos ir comprar a roupa para natação. Esperei ele em frente ao cinema, depois ficamos rodando o shopping. Tinha uma exposição de carros antigos bem interessante, pena que não levei minha câmera para tirar foto. Entramos em várias lojas e acabamos finalizando as compras na C&A. Ele queria umas blusas muito feias, falei que estava feio, depois ele trocou por umas peças melhores. 

Depois disso ele pagou o jantar para nós, estou evitando comer glúten e foi bem difícil achar algo para comer. Comemos arroz, feijão, farofa, alface, cada um escolheu uma opção de carne e de bebida tinha um refrigerante pequeno. 

Fomos nas Americanas, ele comprou uns doces e me deu uma bala de gelatina sem açúcar. 

Normalmente eu não aceitaria nada de ninguém. Pois eu teria que retribuir o que as pessoas fizeram por mim de alguma forma. Eu via isso como um fardo, mas agora estou aprendendo a receber e que entregar deve ser uma ação natural, não é um peso ou algo ruim.

Eu agradeço este amigo por ter saído comigo, ter amizades significa que você não está sozinho e pode ter alguém com quem contar. 

Ontem o tempo estava perfeito, não estava quente, nem muito frio. Quando fui embora começou a chover um pouco, mas deu para voltar para casa sem muito transtorno. Eu fui no shopping de bicicleta, na volta fui dando umas paradas e comendo a bala de gelatina, foi uma das melhores balas que comi na vida. Esta bala tem uma consistência muito boa e um sabor bem realçado. 

Bala Jubes Dori Ramon Cristian 1024x258 - Tempo perfeito e passeio com um amigo

A vida de aparências do brasileiro

Hoje sem planejar fui no shopping Vitória. Meu plano era ir em um viveiro perto de casa para olhar o preço de algumas plantas. O viveiro estava fechado, pois aos sábados só abre de manhã, e não sabia desse detalhe. Um rapaz que mora comigo ficou me enchendo o saco para ir na orla com ele. Fomos andando de bicicleta até chegar ao shopping. Pela primeira vez vi a praia relativamente cheia. Em Vitória não vejo o povo entusiasmado para ir em praia.

Chegamos no shopping, que por sinal estava lotado de gente. Os preços das lojas estavam salgados. Quase toda vez que vou sair e passear, quando encontro os vendedores, eles costumam ser menos grossos. Dessa vez estava totalmente desarrumado. Enfim, estava vestido para me adentrar em plantas, não corredores com vitrines iluminadas.

Eu e meu colega de casa comemos no Subway. Ele aproveitou que estava lá e começou a olhar algumas peças. Disse que estava se sentindo mal de entrar numa loja e não poder levar nada. Eu aproveitei e comecei a pesquisar algumas armações de óculos. Todas as lojas tinha o preço extremamente caro. Tinha armações passando os $500,00. Algo que achei incrível, a Chilli Beans estavam mais em conta do que muito ótica. 

É engraçado como brasileiro gosta de ostentar algo que considera de marca, como vendedores pobres desprezam quando identifica outro pobre vestido de maneira mais simples. Não tem quase ninguém em praias, parques, academias populares e outras atividades de lazer. Mas o shopping center vive lotado. É muito importante dizer que comeu no MC Donald’s e que comprou a roupa da moda da loja X. 

Seria muito mais inteligente e menos desgastante viver de aparência e ficar se comparando com os outros. É melhor comprar livros, do que ficar gastando dinheiro ao vento quando nem se tem condições para o básico. 

Passeio no Shopping Vitória e dificuldade em pegar ônibus

Hoje sai com a tia da minha mãe e fomos passear um pouco. Por ser um lugar mais acessível, fomos ao shopping. Ela tem problemas no joelho, então a levei em lugar que precisasse de menos esforço para andar. O bom que tem um ponto de ônibus perto de casa. Foi praticamente atravessar a rua e pegar o ônibus. Sempre fico confuso que lado da rua que é para pegar o ônibus. O transporte público de Vitória demora um século para passar, a partir de agora, quando precisar usar ônibus para me locomover, vou ver os horários. 

Nós rodamos o shopping e vimos alguns produtos de algumas lojas. Vi que algumas roupas masculinas estão bem baratas, vale mais a pena ir na loja e comprar do que pedir por internet (o que mais pesa é frete dos Correios). Depois de um tempo andando pelos corredores, fomos comer. Pedi um lanche do Giraffas, estava com muita vontade de experimentar o lanche de lá, pois nunca tinha comido nada da marca. O lanche de lá é gostoso, não é gordurento que nem outras redes de fast-food. A minha tia-avó tomou um chopp em outro estabelecimento. Ela viu um monte de gente comendo franguinho no espeto e falou que em Belo Horizonte ela nunca viu em Shopping. Eu disse que no Espírito Santo tem uma franquia que se chama Zé Coxinha onde vendia um monte de salgados. Ela pediu um espetinho e mini-churros, eu bebi um suco de goiaba. 

Fiquei curioso em ir na loja da L’occitane, os produtos me surpreenderam pela qualidade, o preço é bem caro, mas usar um perfume deles parece que vale a pena. A loja que representa os produtos do Brasil tem produtos maravilhosos, não gostei muito da linha francesa (e a atendente da loja francesa não foi muito simpática também). Depois fomos na Americanas, compramos umas coisas e fomos embora. Quando saímos já estava bem tarde. Estava com medo de perder o ônibus. O ônibus municipal demora um século para passar. Pegamos o transporte coletivo da região metropolitana, fomos para a cidade da Serra, paramos no terminal, pegamos outro ônibus e paramos perto de casa.

Tia Maria do Carmo no shopping - Passeio no Shopping Vitória e dificuldade em pegar ônibus
Tia-avó Maria do Carmo no Shopping Vitória