A revolução dos bichos e o início dos sistemas ditatoriais

A Revolução dos Bichos de George Orwell é um livro de arrepiar. O autor representa por meio de animais como que é a sociedade. Certo grupo de pessoas está em certa situação, em um estilo de vida precário. O ambiente e a precariedade levam ao surgimento de uma revolução. A revolução em um primeiro momento parece a saída que melhorará a vida de todos, isso pode até ser verdade em um primeiro momento. A questão é, quem comanda esta revolução. Os líderes do novo governo parecem que estão a favor da liberdade e do povo, mas com o ganho de poder isso não se torna verificável.

O novo governo diz que tudo vai ser diferente, que um novo nível de prosperidade chegará e que as coisas vão melhorar. Novas leis são formuladas, leis estas que não serão seguidas e modificadas com o passar do tempo. A suposta igualdade inicial se mostrará falsa, o novo sistema pode ser tão desigual como o anterior ou estar em uma condição pior do que antes.

Há uma necessidade de mostrar para o mundo que tudo está correndo bem e que há muita riqueza dentro daquela sociedade. Um fator muito importante para sustentar o poder é mostrar que há inimigos que querem dificultar o desenvolvimento daquela sociedade e que eles atrasam certos planos. O inimigo é irreal, mas ninguém sabe disso, ele começa a ser real na mente coletiva.

Com o passar do tempo nascem novas gerações mergulhadas naquele modo de vida, com os anos há um esquecimento de como se formou tudo aquilo e a nova dinâmica se torna natural, como se em toda a história a organização social foi daquela maneira.

O livro vale muito a leitura, conteúdo riquíssimo. O autor foi bem acuradíssimo em descrever como são os sistemas ditatoriais, principalmente aqueles em países onde teve ideais voltados ao socialismo.

Reflexão sobre minha vida e mudanças necessárias

Estes dias de violência intensa aqui no Espírito Santo me fizeram pensar sobre algumas coisas. O confinamento dentro de casa me faz refletir sobre certas áreas da minha vida. 

Infelizmente ainda não consegui arraigar uma rotina próspera. Minha ansiedade faz com queira fazer tudo e no final acabo não fazendo nada. Vou sacrificar várias tarefas que quero fazer para ter a agenda mais minimalista o possível. Vou reduzir meus objetivos em três agora: Estudar mandarim, estudos de Economia (para ir bem na graduação) e exercícios. 

Por mim mesmo seria algo bem difícil e complexo começar a fazer exercícios físicos, agora vou ter horários fixos na academia, então fica mais fácil cumprir esta missão. 

Vou abandonar os estudos de inglês, dedicar apenas a graduação e aos estudos de mandarim. Estudando mandarim automaticamente vou estar estudando inglês, pois os melhores materiais estão do inglês para mandarim. 

Estou com a sensação que a vida está passando e eu estou estacionado vendo a grama a minha volta crescer. Melhor ter menos coisas e seguir para frente. Estou com uma sensação de tristeza e desânimo, mas sei que isso em breve vai ser transformado em sentimentos bons. Estas sensações que estou sentindo veio como um sinal de alerta que algo tem que mudar. Não podemos não estar felizes e ignorar isso. Tem gente que vive a vida na infelicidade e não consegue lutar contra isso, sempre devemos saber quais pedras nos incomodam durante a nossa caminhada. 

Senti uma ansiedade enorme em conhecer pessoas e parecer legal, mas sinto que preciso de uma transformação interna e não ficar tentando buscar amizades de uma maneira forçada. Se eu estiver com vibrações boas, com o tempo vou atraindo pessoas boas para a minha vida. 

Chegou o tempo de me esvaziar para ser enchido com energias melhores. Espero muita coisa boa esse ano, vai ser um ano que espero ter muita experiências transformadoras.