Skip to main content

Como a UFES está reagindo ao corte de gastos do Governo Federal

A crise econômica perdura e a Educação está sofrendo cortes com o pretexto que é necessário economizar. Educação deveria ser prioridade e ser uma área que a população deveria lutar e apoiar. A massa alienada vê os universitários de instituições públicas como vagabundos e como se o governo tivesse fazendo um favor. Educação é um DIREITO, pagamos impostos caros, serviços públicos não são favores, temos que cobrar que nossos impostos sejam utilizados para a melhoria da qualidade de vida da nação. 

O reitor é inacessível aos alunos. Não é feito nenhum esforço para tentar explicar a situação, ele deixa evidente que o importante é apenas garantir o dele. 

Atos que a Universidade fez para economizar:

Precarizou o RU, menos opção de carne, de salada e sem sobremesa. O RU ficou vários meses sem suco no ano passado e a desculpa foi “problemas com o fornecedor”, a administração da UFES é uma vergonha e não deixa claro o que está acontecendo. 

Terceirizados demitidos. Grande parte dos trabalhadores na área de limpeza serão dispensados. Vários alunos, professores e funcionários tratam o pessoal da limpeza como lixo, isso é muito revoltante. Terá menos seguranças patrimoniais (não entendo o fato de ter segurança patrimonial, e a vida das pessoas?).

A grama será cortada com menos frequência, dessa forma temos que adentrar praticamente em uma floresta para chegar na sala de aula. 

Sem iluminação a noite. Com iluminação já é perigoso, imagine sem.  

Salas trancadas para economia de energia. Isso eu concordo, mas precisa chegar ao extremo para tomar tal atitude? Os alunos usam as salas pois é mais fresco. Nunca tem dinheiro para colocar ar-condicionado na inferblioteca. Mas tem rios de dinheiro para obras super-faturadas

Estamos ficando sem o básico como pincel de quadro e papel para imprimir as provas. Mas o Coffee-break com salgadinhos de camarão sempre está garantido nos degraus mais altos. 

Precarização das universidades federais e falta de planejamento

O governo federal anunciou novos cortes na educação. O Brasil é um país tão precário que corta dinheiro da educação e não reduz benefícios dos políticos. Educação sempre tem que ser prioridade, mas infelizmente o ensino não é importante para o governo brasileiro. 

A UFES está em uma situação deprimente. Mato alto por todo lado e já começa a faltar material de consumo. A solução para economizar energia é desligar praticamente toda a iluminação a noite. Tinha me matriculado em uma aula a noite, até cancelei, impossível ir embora tarde para casa. 

A corrupção está penetrada nas universidades, uma crise evidencia ainda mais o privilégio de algumas categorias. Para festinhas que custam dois mil reais (dinheiro que nunca falta e vem fácil) e obras de cem mil reais de uma passarela mal feita que liga o lugar nenhum ao nada, sempre tem recursos. Quando é necessário um ônibus para algum congresso, não tem dinheiro, comprar papel para imprimir provas, quando solicitado material necessários para a aula, nunca tem dinheiro. 

O novo corte de gasto foi feito no RU (restaurante universitário). Onde terá menos opções de proteína e salada. Não terá opção de sobremesa. O valor da comida é baixo, R$1,50, mas é errado prejudicar os alunos, enquanto outros setores da universidade esbanjam o caviar. 

Este é o momento que muitos invejosos comemoram o sofrimento dos outros. Tem gente que adora chamar os universitários de vagabundos e que “mama” no governo. A educação deveria ser de qualidade para todos, infelizmente no Brasil não são todos que tem acesso a uma universidade ou instituto federal/estadual. A luta deveria para ampliar o acesso ao ensino, não ser contra quem estuda. Se não fosse pelo ensino público, eu dificilmente conseguiria estudar. O governo não está fazendo um favor para ninguém, pagamos impostos altos para receber serviços de volta. 

O planejamento público dever ser maior e visar o bem da maioria.

 

Doenças do atraso que afligem o Brasil – Perigo da febre amarela

Vi nessa matéria da BBC que nos próximos meses no Brasil podemos ter uma epidemia de Febre Amarela:

Brasil está sentado em ‘bomba-relógio’, diz especialista sobre febre amarela

É um absurdo que certas doenças ainda existam. O pior de tudo é que elas existem pela ignorância das pessoas e pela falta de educação que está inserida dentro da sociedade brasileira. 

O Aedes Aegypti é um mosquito muito perigoso, e se mostra mais perigoso a cada dia. Tínhamos um problema enorme por causa da dengue. Muita gente não leva a sério o risco de pegar a doença e a chance de morrer por causa de hemorragia. Para piorar, agora temos mais vírus em circulação no país. Além do risco de pegar dengue, quem mora em área de risco pode contrair mais duas doenças, a zika e a chikungunya. 

Pelo país ser muito grande e possuir muitas áreas inabitadas, combater o Aedes é uma tarefa muito difícil, mas isso não justifica a falta de educação da população. Se cada um colaborasse e não deixasse água parada, o índice de pessoas infectadas diminuiria muito. Alguém que não faz a sua parte e tem consciência que tem atitudes que ajudam na proliferação do mosquito, ela deveria pensar que está cometendo um assassinato. Quando sabe do risco letal de um mosquito e mesmo assim colabora para a sua existência, isso é um atestado que a pessoa quer se matar ou matar outras pessoas. 

Além das doenças que são noticiadas pela mídia, principalmente aquelas que afetam todas as camadas sociais, há as doenças invisibilizadas. Muita gente ainda vive sem as condições mínimas necessárias para uma vida digna. Infelizmente água encanada e saneamento básico não são serviços disponíveis para todos. Por causa de esgoto a céu aberto, muitas comunidades, principalmente as mais carentes, sofrem de alguns tipos de doença. A ausência do Estado de garantir o direito à saúde, fazem com que muita gente fique sujeita a pegar doenças como Hepatite A e Leptospirose.

Por causa do medo e falta de informação, parte da população não toma vacinas! Tomar vacinas é muito importante, principalmente no Brasil que temos um risco muito grande de pegar algum tipo de doença durante a vida. Temos que aproveitar esse direito que temos e evitar que nossa saúde seja prejudicada.

O brasileiro tem um mal costume de tentar resolver as coisas depois que chega o pior. A melhor coisa é prevenir. Dentro da capacidade da pessoa, ela tem que ajudar a construir uma sociedade mais saudável. É importante não jogar lixo no chão, não poluir, não jogar entulho na rua ou em terrenos baldios (normalmente as prefeituras têm um serviço específico para isso, é só ligar para a prefeitura e resolver esta questão).

Uma coisa que não entendo é porquê não temos alguns hábitos quando há um surto de alguma doença. Não temos o costume de usar máscaras quando estamos doentes ou quando estamos em um lugar com uma grande aglomeração de pessoas. O governo deveria fazer mais campanhas de prevenção, desse modo gastaria menos dinheiro com medicamentos e internação. Poderia começar por uma campanha de lavar as mãos. 

O sistema prisional brasileiro e o combate ao crime

O sistema prisional brasileiro está falido. As cadeias são máquinas para a criação de bandidos piores e mais cruéis. A raiz de tudo isso é quem a justiça seleciona como desviante. Na visão do judiciário o pior desviante é o traficante de drogas. Grande parte das pessoas presas são envolvidas com este tipo de tráfico.

Muita gente diz que é a falta de educação que criou o cenário que temos. A educação faz diferença no modo como as pessoas enxergam o mundo, mas não é um nível de educação que vai ser responsável do fato de alguém cometer um delito ou não.

Na minha visão há crimes muito mais sérios que deveriam ser investidos mais recursos financeiros e humanos. Assassinatos, estupros, trabalho escravo e estelionato são crimes que deveriam ser mais investigados. O governo nunca vai controlar o tráfico de drogas, as pessoas adultas devem ter liberdade de escolherem o que desejam consumir. Um usuário de drogas deve ser visto como um dependente químico. O governo deveria fazer campanhas evitando o uso de drogas e para quem já é viciado, incentivar o tratamento. É muito errado alguém que use drogas ser visto como um criminoso e que deva ser punido por isso.

Não sou a favor do uso de qualquer substância que faça mal à saúde, mas infelizmente sabemos que o mundo é cheio de pessoas infelizes que tentam fugir da realidade de alguma forma. É muito difícil controlar o ser humano, se alguém quer fazer algo que não fere o bem-estar do outro, o indivíduo deve ter a liberdade de escolher fazer o que quer.

Se houvesse empresas legalizadas que realizasse a venda de entorpecentes, tais drogas teria um processo de qualidade, minimizando os riscos para o usuário. O governo ganharia mais impostos que ajudaria na manutenção das suas atividades. O tráfico não seria alimentado e a ilegalidade diminuiria. Um tráfico com dinheiro, é um tráfico que ganha força. Tal força pode ser vista pelo armamento que as facções possuem, armamento tão pesado que nem o exército do próprio país tem acesso.

O Brasil é um país falso-moralista com pseudo-religiosos que querem que seus estilos de vida fosse padrão para todos, e tentam impor isso por leis. Mas são essas mesmas pessoas que fazem as piores coisas no oculto.

Uma polêmica muito grande é sobre a administração das cadeias. Eu acredito que as cadeias deveriam ser privatizadas e que o preso deve ter a chance de trabalhar. Se não trabalha, não come, simples assim. A sociedade não deve investir mais em cadeia do que nos estudantes. Uma cadeia deveria ser autofinanciável. Durante o tempo em que a pessoa tivesse presa, ela seria responsável por mandar dinheiro para a sua família, esta obrigação de sustentar os dependentes deve ser de quem está preso, não do Estado! É muito ruim saber que se paga imposto para sustentar filhos de outros.

Para entender mais do tema e ver políticas que vários países fizeram para diminuir a taxa de criminalidade recomendo muito o documentário Quebrando o Tabu. A partir da análise de vários relatos desse documentário, dá para ter uma opinião mais sólida sobre o tema.