Resenha de tópicos do livro História do Pensamento Econômico

Max Weber: questões econômicas e de metodologia da ciência.

Lucro máximo: Cournot.

Mercantilismo:

  • Começo de monopólios, regulação de preços e salários.
  • Reforma religiosa.
  • Balança de transações.
  • Nacionalismo exacerbado.
  • Aparecimento de Estados Nacionais, e estes Estados são fortes.

Os mercantilistas são atores panfletários (Não é formado uma escola de pensamento econômico).

Cameralismo na Alemanha: respeito a propriedade real. Não focava muito nas relações internacionais, mais as finanças públicas.

Fórmula do bulionismo: proibição na exportação de outro e de prata. Há uma inflação por causa do excesso de moeda na Espanha.

Fichamento do capítulo 1 do livro Lições de economia política clássica

No século XVII a Economia ainda não tinha um nicho específico.

Economia Política: a relação entre os homens na reprodução da vida material.

Economia como ciência surge no século XVIII.

Iluminismo: desenvolvimento da produção e da troca. No iluminismo o homem é senhor da natureza.

Desde a antiguidade já havia traços sobre esta ciência.

A. Racionalismo e iluminismo: as raízes filosóficas.

B. A aristocracia chamava os que tinha formação médica para questões de saúde/economia.

C. Liberalismo: leis econômicas naturais, cuja existência o governo deveria esforça-se por preservar.

Dilema filosófico jusnaturalista: questão da liberdade e da vida social.

Adam Smith fala que o homem possui instinto aquisitivo.

Mercantilismo: defesa da riqueza nacional.

Economia: O campo da produção, da troca e da riqueza.

No século XVIII, a temática fiscal vai perdendo importância. Deixa de ser “ciência do bom governo”. O foco vai para o privado e comercial.

Fisiocratas: riqueza pela terra.

Petty atuou em várias áreas do conhecimento. Criou uma disciplina chamada Aritmética Política.

Os bens também são riquezas, não só o dinheiro.

Valor-trabalho: processo de monetização.

 

Metade das matérias concluídas – O que fazer da vida depois da graduação?

Finalmente estou com metade do curso concluído, vem aquela pergunta do que fazer depois de formado. Ainda tenho que formar, tem uns anos pela frente ainda de curso, mas já bate aquele dúvida do que fazer depois. Penso em fazer mestrado, mas não é simplesmente desejar fazer mestrado e pronto, é necessário toda uma preparação. Se não consegui passar na prova, o que devo fazer?

Várias opções passam na minha cabeça, como apenas trabalhar e juntar dinheiro, investir em um intercâmbio, fazer uma viagem. Como sou meio cigano, provavelmente depois de formado vou tentar a vida em outra cidade. Vou aproveitar estes anos tudo o que Vitória tem a me oferecer, não quero sair daqui com uma sensação que deveria ter feito e não fiz.  

Não estou tão preocupado com o futuro como um tempo atrás. Apenas quero fazer aquilo tem capacidade de fazer sem sobrecarregar o meu corpo e mente. Estava vivendo sob a frase “Quero dinheiro”, estou transformado esta frase em “O que posso realizar e como posso ser recompensado por isso?”

Estou aceitando o meu presente e o que posso aprender com ele. Não posso ser ingrato, pois nos últimos tempos tudo está encaminhando para dar certo. Ao meu redor vi como o medo bloqueia as pessoas, por causa dele, parte da sociedade toma um rumo onde não há satisfação. O medo de algumas coisas é um elemento que tenho que eliminar, daqui alguns anos, quero estar ciente que tentei realizar tudo aquilo que queria realizar. Quem sai fora da casinha é taxado como louco e pirado. Talvez preciso de uma loucura (positiva) para dar o primeiro passo de atividades que quero realizar.  

Não importa o que acontecer depois, apenas quero estar bem comigo mesmo e não viver a base de comparações. Cada um tem uma história diferente de vida, cada um tem seus desafios. 

Direcionando a vida – Tarefa muito complicada

Uma tarefa muito importante que todos deveriam ter é sempre buscar o processo de aperfeiçoamento. Estagnar na vida não é muito recomendado, principalmente nessa era de competição. 

Estou com um pouco de dificuldade em saber em que caminho seguir. Um dos meus grandes sonhos é ter um negócio próprio. Principalmente no setor de beleza e moda. Mas ao mesmo tempo quero investir na minha educação. Aí surge mais dúvidas, como fazer um MBA? Será que devo fazer um mestrado? Devo ficar no Brasil ou juntar dinheiro para o exterior?

Primeiro devo terminar a etapa inicial que é terminar a graduação. Tenho que estar firme em um propósito para a minha vida fazer algum sentido. Economia é uma área que gosto muito, mas ainda não consegui encontrar um nicho profissional em que me sinta encaixado. Não me sinto “pertencido”. 

Quero muito aprender idiomas, mas a única língua que estou me aproximando mais é o economês. Será que devo focar em idiomas apenas nas férias e depois de formado? 

Estou doido para me formar logo e sair desse ambiente acadêmico que estou inserido. Sinto que estou ficando sufocado e desanimado. Estou tentando elevar a minha energia, não quero me permitir ficar na tristeza. 

Um dos meus grandes sonhos é morar fora do Brasil, mas antes de realizar este sonho quero estar preparado. Eu quero ter a melhor forma de me preparar. Fico pensando se é melhor focar nos estudos ou se começo a empreender.

Posso aceitar ser subordinado por algum tempo, nesse tempo posso aprender lições importantes, mas não quero estar nesse estado por muito tempo. Liberdade e estar bem é algo que sempre quero ter. É muito ruim a sensação de estar preso a algo.  

Quero me direcionar por um caminho que possa bons frutos. É ruim trabalhar para enriquecer os outros. 

 

Pressão para ter excelência acadêmica

Como comecei a estagiar, tive que fazer todo um trâmite burocrático para registrar o meu estágio. Uma professora conversou comigo falando que o limite de reprovação é uma matéria. Isso me deixou preocupado, este semestre estou tendo aulas com alguns professores considerados difíceis de passar. 

Agradeço a todos que me ajudaram a tirar uma nota boa em Estatística I para iniciar bem o semestre. Na próxima semana já começa a maratona de provas e devo fazer de tudo para passar nas disciplinas. Meu objetivo é focar principalmente em Macroeconomia III e Microeconomia II.

Fonte: mercadolivre.com

O professor de Microeconomia passou alguns exercícios em inglês, até consegui achar algumas coisas, mas o material para acessar tem que pagar. ‘-‘

Vou fazer o máximo para não entrar em desespero e ter inteligência emocional para lidar com as metas que tenho que entregar. Abri mão de muitas atividades para ter mais tempo para aquilo que é prioritário. Vou deixar para estudar Mandarim apenas nas férias. 

Fazer Economia não é fácil e não é para qualquer um. A maioria dos professoras não tem domínio de didática e fica difícil entender algumas coisas que muitos deles falam. Muitas vezes a matéria nem é difícil, mas pelo professor não saber transmitir as informações, se torna algo muito difícil de compreender. 

Espero trabalhar duro e colher frutos no final do semestre. Ainda estou procrastinador, mas sinto que a vitória contra esse inimigo está perto. Todas as atividades que me fazem desviar do foco de estudar estão sendo neutralizadas. Já me desapaguei quase que completamente do celular. As redes sociais sempre tem as mesmas coisas e praticamente não estou horas navegando em feed de notícias. Já estou enjoando de Youtube. Estou afunilando as minhas atividades e está ficando mais fácil estudar. 

Para manter este estágio tenho que estudar muito e vencer esta etapa.