Skip to main content

Shopping Centers: Mudança de visão

Avalie este post

Quando criança shoppings eram lugares mágicos, um ambiente que dava vontade de morar dentro. Cheio de jogos, coisas legais, comidas que a maioria das pessoas desejam comer e muita diversão. Para ter acesso a este mundo fantástico é necessário um chave essencial para a aquisição, que é o dinheiro. Crianças pequenas não sabem do valor dinheiro, apenas o querem para ter aquilo que desejam. 

O tempo foi passando e aos poucos fui mudando minha percepção do mundo ao redor. Pensando bem, os shoppings são lugares bem estranhos. É um lugar que só se vai para gastar. E realmente, não temos muita opção, pois é um dos únicos lugares que as pessoas se sentem mais segura. Daí podemos perceber que o consumidor é muito mais importante que o cidadão. As nossas relações são baseadas em consumo, para sair com os amigos e ter uma socialização melhor é necessário tal chave para não ser excluído. 

Hoje os shoppings não me encantam mais. Agora como é eu que tomo minhas decisões, não tendo mais um intermédio. Percebi o que é um mal-atendimento, quando parece que estar se fazendo um favor com outra pessoa (isso porque trato todo mundo muito bem e tendo ser simpático ao máximo). É péssimo quando se pede uma coisa e vem outra. Vejo mais a superficialidade da pessoas, e tem gente que passa o dia todo comprando para ocupar o tempo, estudar e trabalhar acredito que é muito mais efetivo e preenche melhor a mente. 

Estou cansado dessa superficialidade, shopping para mim é apenas um lugar para ir, fazer o que se tem que fazer e ir embora. Percebo como é idiota gastar dez reais em um jogo de dois minutos e ainda achar que isso é normal. Percebi como dinheiro é uma coisa difícil de ganhar e como devemos administrá-lo bem para não cair em armadilhas. 

 

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.