Skip to main content

Problema de oferta de alimentos no Brasil

Avalie este post

Este texto não tem nenhuma base científica. Apenas quero me expressar sobre um tema que afeta o nosso cotidiano. No Brasil temos o câmbio flutuante e isto pode interferir em muitos aspectos da nossa vida. De um lado quer que o dólar fique barato, para termos mais acessos aos importados e para as viagens ao exterior ficarem mais barata, por outro lado se quer um dólar caro com a justificativa de proteger a indústria nacional. 

Acontece que, se o dólar fica muito caro, começamos a ter problemas de escassez de alimentos. Como ocorreu com o feijão recentemente. A classe de latifundiários no Brasil é muito forte, e eles comandam parte da economia e política do Brasil. Parece que esta parte da população ignora o mercado consumidor do país que possui mais de 200 milhões de pessoas e focam na exportação de commodities. É mais vantajoso produzir soja para exportar para China, do que produzir feijão e leites para os brasileiros. 

O efeito colateral de “proteger” a indústria nacional, é que a alimentação fica muito cara e sacrifica principalmente a camada com renda menor. Dólar alto incentiva às exportações, e muita gente fica doido para ganhar em dólares (ou outra moeda forte). 

Precisamos de uma reforma urgente, não necessariamente um movimento como o MST. Entretanto o governo deve pelo menos obrigar estas grandes fazendas a serem mais produtivas e  necessitamos de uma política de valorização do mercado interno. 

Somos uma nação com uma capacidade produtiva muito grande e desperdiçamos nosso tempo em deixar de usufruir esta grande riqueza que temos. 

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.