Skip to main content

Primeiros contatos com outras línguas

Avalie este post

No Brasil, a gente não é muito estimulado a aprender um outro idioma desde cedo. Mas sempre estamos em contato com outros idiomas. Até por palavras estrangeiras que já viraram parte do nosso idioma. 

Eu lembro que não entendia porque em alguns produtos comprados no supermercado sempre tinha produtos com Brasil escrito com “z”, sendo que aprendi que não se escrevia daquela maneira. Também não tinha noção dos línguas que eram falados pelo mundo, achava que isso tinha mais haver com o país, tipo na Argentina falava argentino, na Austrália falava australiano. Hoje eu rio, desses pensamentos bobos de criança. Não tive acesso a TV paga, então isso me deixou mais longe de contato com outros idiomas. 

O que tinha na televisão (não sei se tem ainda) era um canal chamado Mix TV e MTV, onde tinha programas que passavam clipes de cantores internacionais. Na MTV tinha um programa chamado Teen Cribs, onde mostrava as casas dos adolescentes ricos dos Estados Unidos, nem sei porque via isso. Outro programa que vi foi My life as Liz, nessa série mostrava a história de uma jovem que saiu do interior para estudar em uma cidade grande. Através desses dois canais que inicialmente tive mais acesso ao inglês. Mas grande parte do meu tempo eu assistia animes, gosto muito de Pokémon e queria aprender todas as aberturas japonesas. Eu ia para a escola com meu irmão cantando as aberturas de Pokémon e Naruto. Poderia ter aproveitado este contato mais extensivo principalmente com o Japonês e ter tentando ter desenvolvido mais o idioma. 

Com o tempo e maior conhecimento geral sobre o mundo, eu fiquei ciente que aprender outros idiomas é muito importante para o desenvolvimento como pessoa e este é um dos focos principais da minha vida. É necessário estimular as crianças para que elas se tornam poliglotas, o que não falta atualmente é ferramentas para isso. 

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.