Skip to main content

Piores professores da minha vida

Avalie este post

A escola é um momento em que há grande transformação nas nossas vidas. Temos que aprender a se socializar e aos poucos temos mais responsabilidades. Os professores são muito importantes para a nossa formação, felizmente a maioria dos meus professores foram maravilhosos e não tenho muito o que reclamar. Mas como a vida não é perfeita, também tive professores péssimos que já me deixarem bem ruim.

A minha primeira experiência ruim foi na segunda série (atual terceiro ano), comecei o ano em uma sala super de boa. Mas depois de umas semanas me colocaram em uma sala mais “avançada”, pois a maioria do conteúdo da outra sala já tinha domínio. Foi um dos piores anos da minha vida na ótica escolar. Não fiz amizade com ninguém, fui culpado de coisas que não fiz, tenho ódio disso até hoje, espero que estes pedagogos dessa época estejam todos mortos. Sim, tenho sentimentos vingativos. Tinha uma professora muito amarga, ela sempre estava com a cara fechada e era bem antipática. Apenas dava atenção a dois alunos da sala, que provavelmente deviam ser os riquinhos. Na época eu era bem inocente e não via nenhuma maldade no mundo. Em um final de semana, retirei todo o meu tempo para fazer uma história em quadrinho para a professora e levei uma maçã, a referida senhora, pegou a minha história, rasgou em pedaços e jogou no lixo.

Ainda bem que os meus outros anos foram bem melhores do que este. No ensino médio tive professores que faziam o que queriam e ficava por isso mesmo. Tive problema com um professor de física que me acusou de ter roubado uma prova, tinha um menino da minha turma que me odiava e falou que tinha passado a prova roubada para mim. Depois de um tempo, descobriu-se quem pegou a maldita prova, mas ele não deve coragem de pedir desculpa para mim.

No ensino superior tive um professor de matemática que teve a audácia de chamar as pessoas da turma, de pessoas menos capacitadas, que não tínhamos determinadas inteligências desenvolvidas.

Com o tempo estou ficando mais crítico e não estou aceitando todas as coisas que dizem para mim.

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.