Skip to main content

Não sou produto de vitrine – Mercantilização da Socialização

Avalie este post

A solidão criou negócios milionários. Infelizmente estamos transformando tudo em mercadoria. Nossos corpos viraram apenas produtos e nossa convivência em sociedade também. 

Hoje existe vários aplicativos de encontro, onde você avalia e é avaliado por umas fotos e por um texto. No mundo real, há a possibilidade de pagar profissionais do sexo, alugar um amigo e sair em um encontro com uma pessoa que apenas está oferecendo um serviço do tipo. Cada vez mais cedo se sente a pressão de ser bonito e bem sucedido. 

Este tipo de movimento que a sociedade está indo, está deixando várias pessoas com baixa auto-estima. Há uma busca pela beleza por todo o custo. E tem gente que fica paranóica por popularidade e aprovação nas redes sociais. Estamos em uma sociedade onde a exposição da vida pessoal está muito exagera e onde se perdeu muito o pudor e o bom senso. 

Cada vez mais o mercado se cirurgias plásticas e de cosméticos crescem, pois o processo de envelhecer e parecer feio é aterrorizante. Sinceramente não estou fora desse processo, como um ser social, busco meu espaço no mundo em meio as outras pessoas. Mas tendo evitar ter a mente invadida por comentários negativos que podem me deixar triste. Devemos encontrar um ponto de equilíbrio, senão ficamos depressivos ou loucos. Tento me enxergar pelas minhas qualidades e no que posso fazer. A personalidade que deve contar mais, não há preço que se pague para fazer o bem e ser simpático com os outros. Não somos produtos de vitrine, somos seres humanos com sentimentos e emoções. 

Artigos que mostram como este problema de imagem está ficando algo muito grave:

Pressão para ser bonita: Estudo revela preocupação já em meninas pequenas

Ensaios com sul-coreanas após plásticas expõe pressão por beleza “ocidental”

Mulheres japonesas solteiras estão comprando a experiência de ter um namorado:

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.