Skip to main content

Conhecendo um pouco mais a zona rural de Montanha

Avalie este post

Eu não consegui carona para ir em Montanha, tive que comprar passagem e ir de ônibus. Não consegui passagem depois da aula no dia 20, pois todos os ônibus estavam lotados. Sai da fila e já estava indo para o ponto de ônibus, pensei melhor, voltei para a fila e comprei a passagem para o próximo dia.

Peguei o ônibus e cheguei na cidade de madrugada. Acordei, me arrumei, pois minha mãe disse que íamos para a zona rural. Uma amiga dela mudou da cidade para uma fazenda. O terreno do proprietário daquela terra era enorme. Aceitei a aventura de subir uma pedra e ver a cidade de Montanha por cima. Passamos por um caminho onde não tinha vacas. Parece que houve um incêndio na pedra que subimos e a vegetação estava renascendo. 

Eu e meu irmão estávamos de bermuda e chinelo, não são os melhores trajes para adentrar numa região com mato. Nós ficamos com as pernas coçando e o braço dele ficou vermelho. Tivemos que tomar muito cuidado quando chegamos na pedra, pois lá tinha muitos cactos, e qualquer vacilo poderíamos ficar cheio de espinhos. O rapaz que nos guiou mostrou umas pedras que de acordo com ela já era território de Minas Gerais.  

Ficamos lá até a noite. Minha mãe pensou que os trabalhadores daquela fazenda iam embora no final da tarde para a cidade, mas não sei o que aconteceu, que não conseguimos ir embora. Íamos no outro dia, ia ficar uma situação muito chata, pois não tínhamos levados roupas, escova de dente, nem nada. 

É interessante ver como que dá a configuração hierárquica da zona rural. As relações são mais evidentes do que na cidade. Lá tinha a casa do dono da fazenda, toda murada e enorme. E no mesmo terreno, morava seus funcionários, com casas simples.

DSCN5174 1024x768 - Conhecendo um pouco mais a zona rural de Montanha

 

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.