Como a repressão social afetou a minha vida

As crianças possuem uma sensibilidade maior, pois o processo de repressão é menor. Com o passar dos anos, o ego vai ganhando mais espaço. Lembro de várias coisas que fui perdendo com o tempo. 

Mesmo tendo 19 anos, eu lembro muito bem como era os meus sentimentos e minha mentalidade quanto era criança. Lembro da leveza que era até a era de sofrimento que passei quando meu pai retornou com a minha mãe. 

Eu tinha sonhos muito vívidos, podia sonhar e ver novos mundos. Sonhava frequentemente como uma espécie de uma cidade medieval, o lugar era vazio, eu me divertia muito voando os céus nos tons púrpuros daquele lugar. Por muito tempo me senti acompanhado por alguém que sempre estava o meu lado, sempre perguntava coisas para esse ser. Uma vez embaralhei várias cartas, coloquei todas elas para baixo e perguntava esse ser quais eram os pares, surpreendente sempre encontrava os pares. Por uma crença religiosa, fui ignorando e suprimindo essa energia espiritual, comecei a acreditar que tudo isso era criação da minha mente. Passei a ter medo de ficar sozinho, pois sentia que estava sendo vigiado. 

O mundo da magia era muito presente na minha vida. Acreditava em fadas e ajudadores não humanos. Falava com as plantas e tinha uma conexão mais profunda com a natureza. Só que não conseguia interpretar este universo não visível. 

Sempre tive uma conexão muito grande com a prosperidade, mas fui reprimido, como desejar o melhor fosse errado e que deveria aceitar a realidade (de pobreza). Estou fazendo renascer esse sentimento e empoderando a prosperidade dentro de mim, as barreiras limitantes não me impedirão mais. É estranho como as pessoas são presas ao ego de maneira tão intensa. 

Tudo que vivi foi muito importante para entender vários intensidades de padrões energéticos, me sinto mais preparado para ajudar a novas gerações a se libertarem de padrões que deixam a vida menos saudável e estagnada. 

(Visited 24 times, 1 visits today)

Ramon Cristian

Doramaníaco, J-rocker, geek, otaku, fã de cultura asiática e gosto muito de aprender idiomas.