Admito que tenho sentimentos ruins – Tarefa muito difícil de fazer

Por uma questão moral e religiosa é difícil assumir que temos um sentimento ruim. No lado bom e ruim da história, a maioria de nós queremos ser os bonzinhos e heróis. Mesmo um terrível traficante de alguma comunidade vai querer ser visto com bons olhos pela sociedade que ele domina. 

Fonte: br.pinterest.com/zerahgarchitore

Sempre achamos que os outros são ruins e é difícil fazer um raio-x interno. Primeiro temos que admitir que algo está errado para depois mudar. Desde criança tenho um sentimento de inferioridade, pois sempre via meus colegas de escola ganhando as coisas e eu tendo nada. Havia pessoas com uma situação financeira menos favorável que a minha, mas meus olhos só enxergava quem tinha mais. Até hoje, preciso trabalhar profundamente este lado e deixar ir embora esta vibração de escassez e falta.

Atualmente vi conhecidos tendo prosperidade, e eu na mesma situação. Foi muito difícil nomear este sentimento, é uma mistura de inveja acompanhada de humilhação. Pelo sistema que fui imposto, os números são elementos muitos importantes, ficar com o número mais baixos que outras pessoas é traduzido como derrota. Exemplos: dinheiro ganho, notas na escola, quantidade de cursos, quantidade de habilidades e pontuações de qualquer natureza.

Por muito tempo tentei suprimir esta negatividade dentro de mim, mas quando sentimos algo, as coisas transparecem. Sempre estou com uma face de desânimo, cansado e com muita ansiedade.

A ambição e ganância me dominaram. Só penso em ganhar dinheiro, o que fazer para ganhar dinheiro, sempre sinto a falta de alguma coisa para iniciar um projeto.  

Graças a pessoas iluminadas na minha vida, estou conseguindo me libertar de crenças limitantes e que me fazem muito mal. Vou focar no que posso fazer para me desenvolver e evitar ao máximo competir com os outros. Fui abençoado com oportunidades, devo desfrutar o que tenho e não viver pensando no futuro. 

(Visited 14 times, 1 visits today)

Ramon Cristian

Doramaníaco, J-rocker, geek, otaku, fã de cultura asiática e gosto muito de aprender idiomas.