Skip to main content

Acadêmicos versus Empresários: Visões de mundo

Avalie este post

Antes de entrar na universidade nunca tinha pensado sobre isso, mas com o tempo vi que a configuração mental de um acadêmico e de um empresário é muito diferente. Lembrando que não estou generalizando. 

Nunca ouvi isso diretamente, mas parece que a visão da Academia olhando para o mercado, é uma visão bem pessimista. Tem aquela ideia que o mercado é explorador, que retira o ganha pão dos pobres para deixar os ricos mais ricos. Parece que o mercado financeiro é um monstro que vai destruir o mundo em breve. Claro que o mundo não é  um espaço que tem apenas mil maravilhas, mas acredito que é necessário ponderar as coisas. Sim, o mercado tem muitos defeitos, mas é preciso olhar pelo outro lado. As empresas geram inovações que melhoram a vida de muita gente, podem gerar oportunidades de crescimento e aprendizado. Na minha opinião, as pessoas devem moldar as empresas para que todo mundo possa ganhar. 

O empresariado não é burro, e eles devem imaginar o que é falado deles durante os eventos acadêmicos. Vários empresários querem apenas um ensino técnico nas instituições de ensino, mas para quem entrou em um curso para se tornar um profissional também é necessário um pensamento crítico. 

Parece que adultos são piores que crianças e quando estão em rixa, é muito difícil uma conciliação. Na minha opinião deveria haver uma relação melhor entre a Academia e o Empresariado, principalmente as instituições federais que têm uma resistência maior. Muita gente tem medo que o ensino fique subordinado as empresas, mas acredito que as estruturas devam ser bem amarradas para não ter uma subordinação, mas sim uma cooperação. Se até na China o sistema deu mais do que certo, não entendo o porquê de tanto medo. Parece que com o tempo este medo  de integração foi-se enraizando e não está deixando estas instituições se fortalecerem.

 

Ramon Cristian

Estudo Ciências Econômicas na UFES. Sou apaixonado pela cultura asiática. Pretendo ensinar, mas sem deixar o espírito empreendedor de lado. Quero me especializar na área financeira ou desenvolvimento econômico. Sou fascinado por todos os temas que mostram a expressão humana, como arte, literatura, cultura e moda.